NOTÍCIAS
20/07/2014 21:47 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:42 -02

Obama expressa preocupação sobre número crescente de mortos e feridos em Gaza, e quer um 'cessar fogo' imediato de Israel

WASHINGTON (Reuters) - O presidente norte-americano, Barack Obama, disse ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, neste domingo que tem sérias preocupações sobre o número crescente de

Win McNamee via Getty Images
WASHINGTON, DC - JULY 18: U.S. President Barack Obama answers questions after delivering a statement on the Malaysia Airlines crash over eastern Ukraine in the Brady Press Briefing Room of the White House July 18, 2014 in Washington, DC. Malaysia Airlines flight MH17 travelling from Amsterdam to Kuala Lumpur was allegedly shot down July 17 on the Ukraine/Russia border near the town of Shaktersk. (Photo by Win McNamee/Getty Images)

WASHINGTON (Reuters) - O presidente norte-americano, Barack Obama, disse ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, neste domingo que tem sérias preocupações sobre o número crescente de vítimas resultantes do conflito entre Israel e os Palestinos. 

Obama falou pelo telefone com Netanyahu pela segunda vez em três dias. Ele afirmou que Israel tem o direito de se defender e reiterou que os Estados Unidos condenam os ataques do Hamas contra Israel.

"O presidente também expressou suas preocupações sobre o crescente número de vítimas, incluindo o número de mortes de civis palestinos em Gaza e a perda de soldados israelenses", disse a Casa Branca em um comunicado que descrevia a conversa. 

Mais de 60 palestinos e 13 soldados israelenses foram mortos na ofensiva israelense em um bairro de Gaza neste domingo, no conflito mais sangrento desde o início da ofensiva há duas semanas.

Obama disse a Netanyahu que o Secretário de Estado norte-americano John Kerry deve viajar ao Cairo em breve para buscar a suspensão imediata do conflito e retornar a um acordo de cessar fogo de Novembro de 2012. 

"O presidente afirmou que os Estados Unidos irão trabalhar com Israel e os parceiros regionais para implementar um acordo imediato de cessar fogo, e ressaltou a necessidade de proteger os civis - em Gaza e em Israel", dizia o comunicado. 

(Por Steve Holland)