NOTÍCIAS
19/07/2014 16:41 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:42 -02

Morte de Rubem Alves: Escritor filósofo e educador morre em Campinas aos 80 anos

Lucas Lacaz Ruiz

Morreu na manhã deste sábado (19) o escritor e educador Rubem Alves, aos 80 anos.

No dia 10 de julho, o intelectual mineiro deu entrada no Centro Médico de Campinas, cidade onde morava, com quadro de insuficiência respiratória devido a uma pneumonia. Às 11h50 de hoje, devido à falência múltipla de órgãos, veio a falecer.

Na página oficial do escritor no Facebook, uma postagem informa o falecimento e informações sobre o velório.

No Twitter, escritores, políticos, personalidades e admiradores expressam seus sentimentos:

A ministra da Cultura, Marta Suplicy, também publicou uma nota de pesar do site do ministério:

"Rubem Alves era um encantador. Em seu texto Sobre a Morte e o Morrer disse que 'permanecemos humanos enquanto existe em nós a esperança da beleza e da alegria'. Foi esta esperança que ele buscou despertar em cada um que tinha contato com sua pessoa e seu pensamento. Rubem lidou com as palavras com raro talento, acrescentou poesia para cada tema que tratou. Buscou em diferentes disciplinas (teologia, psicologia, sociologia, filosofia) uma maneira de ler o Mundo e compartilhá-lo com todos através da Educação. Sua vocação era cultivar um futuro melhor. O mundo perde um pensador indispensável."

O escritor

Rubem Alves estudou teologia no seminário Presbiteriano do Sul. Enquanto pastor, foi estudar em Nova York e retornou ao Brasil durante a ditadura militar. Foi perseguido pelos militares e se mudou com a família para os EUA. Em 1968, regressou ao País e ingressou no Instituto de Filosofia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Em 1984, iniciou seus estudos em psicanálise e teve uma clínica até 2004.

O mineiro descobriu-se escritor enquanto inventava histórias para Raquel, sua filha. Na última quinta-feira (17), Raquel publicou o seguinte depoimento:

Entre seus livros para crianças, destacam-se A volta do pássaro encantado e A pipa e a flor. Apesar do trabalho na literatura infantil, sempre apontou como referências literárias T. S. Eliot, Friedrich Nietzsche, Albert Camus, José Saramago, Jorge Luis Borges, Fernando Pessoa, Adélia Prado e Manoel de Barros.

Alves deixa um legado de mais de 160 obras, entre elas Ostra Feliz Não Faz Pérola, que levou o escritor a ficar em segundo lugar no Prêmio Jabuti de 2009, na categoria Contos e Crônicas.

Atualizado às 18h35.