NOTÍCIAS
17/07/2014 15:42 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:42 -02

Mais três crianças morrem em conflito após fim da trégua entre Israel e Hamas

MOHAMMED SALEM/REUTERS

Após o fim da trégua entre o governo de Israel e o grupo islâmico Hamas, a violência voltou a tomar conta da faixa de Gaza. Mais três crianças morreram em consequência de ataques aéreos.

A pedido da Organização das Nações Unidas (ONU), Israel e o Hamas concordaram em suspender o conflito entre 4h e 9h (horário de Brasília), para que os feridos graves fossem retirados da região de conflito e a população pudesse se abastecer.

Segundo a AP, logo após o breve momento de paz, militantes palestinos atiraram mais de 50 foguetes em direção a Israel, inclusive na capital Tel Aviv. O governo israelense respondeu com oito ataques aéreos. Um deles matou três crianças entre 8 e 10 anos que brincavam de alimentar pombos no telhado de casa.

"Sem nem perceber, eles foram atingidos de cima. Eles não estavam lutando. Não fizeram nada", disse o pai de duas das crianças, Marzouk Shahaibar à Reuters. Ontem (16), quatro meninos entre 9 e 11 anos foram mortos durante um ataque naval em Gaza. A última onda de ataques aéreos já deixou, ao menos, 40 mortes de crianças.

Entocados há mais de uma semana com medo dos ataques aéreos que mataram mais de 235 pessoas desde 8 de julho, os moradores da região de conflitos lotaram os mercados de Gaza e causaram enormes engarrafamentos durante o cessar-fogo. Três disparos de morteiro vindos de Gaza atingiram o sul de Israel durante o período, mas não houve feridos.

LEIA MAIS:

- Israel intensifica ataques à Gaza e bombardeia casas dos líderes do Hamas

- Crianças palestinas atingidas em ataques aéreos lidam com ferimentos e perda de familiares

À agência Reuters, um funcionário israelense que não quis se identificar confirmou que representantes israelenses negociam um cessar-fogo abrangente com líderes do Hamas. A fonte afirmou que há um acordo de trégua a partir de sexta-feira (18), à 0h (horário de Brasília).

Autoridades egípcias, que estão mediando o diálogo entre os dois lados do conflito, não confirmaram o acordo até o momento.