MUNDO
16/07/2014 15:38 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:42 -02

Israel intensifica ataques à Gaza e bombardeia casas de líderes do Hamas

ASSOCIATED PRESS
Smoke rises after an Israeli missile strike hit the northern Gaza Strip, Wednesday, July 16, 2014. Israeli war planes and naval vessels intensified attacks across the Gaza Strip on Wednesday, targeting senior Hamas leaders and bombarding a coastal area, where four Palestinian boys were killed. (AP Photo/Adel Hana)

Depois da recomendação a 100 mil habitantes do norte da faixa de Gaza para que abandonem suas casas, o exército israelense intensificou os ataques a alvos palestinos na noite desta terça-feira, quando foram registrados bombardeios em larga escala, principalmente na cidade de Gaza, com o intuito de atingir lideranças do Hamas e do grupo Jihad Islâmica.

Fontes oficiais israelenses confirmaram que a casa de Mahmoud al-Zahar, uma das principais lideranças do Hamas, foi atingida por mísseis – Al-Zahar, no entanto, não estava no local no momento do ataque. Outras autoridades palestinas também tiveram suas casas destruídas.

Para o Hamas, os ataques israelenses "refletem o estado de confusão no governo e no estamento militar israelense depois do grande fracasso em acabar com a resistência armada palestina".

Pelo lado palestino, as "Brigadas de Ezedin al-Qassam", braço armado do Hamas, confirmaram que foram disparados, entre terça e quarta-feira, mais de 170 projéteis contra as regiões central, norte e sul de Israel, bem como em tropas israelenses posicionadas nas fronteiras com a faixa de Gaza.

De acordo com o Ministério da Saúde do território palestino, já foram mortos pelo menos 205 palestinos e mais de 1,5 mil foram feridos pelas forças israelenses desde o início da ofensiva militar batizada de “Margem Protetora". O Ministério do Trabalho da faixa de Gaza acrescentou que 612 casas e cerca de 13.550 edifícios foram parcialmente danificados.

O acirramento dos ataques israelenses, somado à recomendação explícita para que habitantes de Beit Lahiya e dos bairros de Zeitoun e Shejaya na Cidade de Gaza deixassem suas casas provocaram um enorme êxodo de palestinos na região: cerca de 18 mil abandonaram seus lares e outros quatro mil buscaram asilo em escolas da agência da ONU para os refugiados palestinos.

Nesta quarta-feira, o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmud Abbas viajará para Cairo, capital do Egito, para tratar com as autoridades do país a proposta de pacificação na região.

(Com agências de notícias)

Veja fotos da faixa de Gaza feitas por Sophia Jones, correspondente do The World Post no Oriente Médio:

Walid, um rapper de 25 anos da Cidade de Gaza, está desempregado e farto. “O Hamas fracassou no governo de Gaza”, disse ele, sentado em frente à sua casa, no campo de refugiados Al-Shati. Ele é um dos muitos palestinos que vivem em campos de refugiados como resultado do despejo de 1948, quando foi criado o Estado de Israel. “Ninguém consegue impedir o Hamas de lançar foguetes de casas civis. Mas Gaza é pequena demais, e apoio a resistência... Não acredito que vá ver a paz durante minha vida.”

Médicos levam o corpo de Safaa Malaka, de 6 anos, para o necrotério do hospital al-Shifa, na Cidade de Gaza, depois de um bombardeio israelense no sábado”

Este é o posto de fronteira de Erez, entre Israel e Gaza, e a sensação é a de sair de uma prisão de segurança máxima. É uma caminha longa e quente durante o verão. O posto fronteiriço é usado por jornalistas, equipes de ajuda humanitária e alguns palestinos que conseguem licenças especiais. A maioria dos israelenses é proibida de visitar Gaza

Nasser al-Tatar, chefe do hospital al-Shifa, da Cidade de Gaza, aponta para o primeiro andar de sua casa, onde uma clínica cardiovascular funcionava antes de ser atingida por um míssil israelense, no domingo. Seu sobrinho, que não mora na casa, disse ter recebido um alerta do exército israelense: a família al-Tatar teria dez minutos para deixar o local. Ninguém ficou ferido. Al-Tatar, que diz ter perdido tudo, insiste não ter nenhum vínculo com o Hamas. “Isso é Gaza”, disse ele, diante de sua casa destruída. “Essa é a nossa vida. Construí essa casa há 20 anos, e eles a destruíram em 10 segundos"

Amigos e vizinhos avaliam a destruição da casa de Nasser al-Tatar depois do ataque aéreo de domingo. Acima, foguetes lançados de um bairro próximo deixam um rastro branco no céu.

Nour, 5, numa cama do hospital al-Shifa, na Cidade de Gaza. Seu pai e sua mãe foram mortos em um ataque aéreo israelense na terça passada, segundo sua avó. Pelo menos 33 crianças foram mortas nos últimos dias, de acordo com um relatório do Unicef, no domingo

Uma mulher chamada Asma embala seu bebê, Mohsen, hospital al-Shifa, na Cidade de Gaza. Grávida, ela fugiu dos bombardeios em seu bairro e entrou em trabalho de parto prematuramente. “Estava preocupada em perdê-lo”, disse Asma no seu quarto de hospital, que abriga duas outras mães. “Parecia que meus ouvidos iam explodir com o barulho das explosões"

Crianças palestinas apontam para marcas do impacto deixadas por mísseis israelenses que atingiram um carro perto da casa de um dos líderes do Hamas. As crianças não falavam muito inglês, mas diziam enfaticamente: “Perigoso!”

Médicos levam o corpo de Safaa Malaka, de 6 anos, para o necrotério do hospital al-Shifa, na Cidade de Gaza, depois de um bombardeio israelense no sábado

O Hamas lança um foguete contra Israel de um bairro da Cidade de Gaza na segunda-feira, deixando uma marca branca no céu

Mesas escolares são empilhadas dentro de uma escola da ONU na Cidade de Gaza para abrir espaço para centenas de famílias do norte de Gaza que precisam de refúgio