NOTÍCIAS
15/07/2014 21:00 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:42 -02

Justiça manda soltar 13 ativistas presos no Rio; PM prende quatro policiais suspeitos de agressão

GLAUCON FERNANDES/ELEVEN/ESTADÃO CONTEÚDO

O Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) mandou soltar, no início da noite desta terça-feira (15), 13 das 19 pessoas presas no último sábado sob a acusação de formação de quadrilha. A decisão foi emitida pelo desembargador Siro Darlan.

Seis pessoas continuam presas, entre elas a ativista Elisa Quadros Sanzi, a Sininho, e outras nove estão foragidas.

No último final de semana, o juiz Flávio Itabaiana de Oliveira Nicolau, da 27ª Vara Criminal do Rio, emitiu 26 mandados de prisão contra pessoas que, segundo a investigação policial, articularam a prática de atos violentos que seriam praticados no dia seguinte, o domingo da final da Copa.

A polícia conseguiu cumprir 17 dessas ordens de prisão. Outras duas pessoas foram presas em flagrante - uma por porte de drogas e outra pela posse de uma arma sem autorização.

Darlan alegou que, ao decretar as 26 prisões, o juiz não apresentou elementos que comprovem a necessidade de que essas pessoas permanecessem presas. Por isso ele concedeu os habeas-corpus. "Concedi todos os habeas-corpus que foram apresentados. As outras pessoas (presas) não fizeram o pedido", afirmou.

LEIA MAIS:

- Criminalização dos movimentos sociais: pesquisadores defendem que protestos de rua não têm formação de quadrilha

- Apagão na democracia

Prisão de PMs

O Comando da Polícia Militar do Rio determinou na tarde desta terça a prisão administrativa de quatro policiais que participaram de operação na praça Saens Pena, na Tijuca (zona norte) no último domingo, e são acusados de agredir jornalistas e manifestantes.

Três inquéritos militares foram abertos para apurar a conduta dos policiais. Eles já receberam determinação para se apresentarem ao Batalhão de Policiamento de Grandes Eventos, onde permanecerão presos por ordem do comandante da unidade.