14/07/2014 10:25 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Ataques de Israel a Gaza deixaram 175 vítimas fatais, 32 delas crianças

REUTERS/Mohammed Salem

As crianças têm sido as maiores vítimas dos ataques aéreos de Israel contra a Faixa de Gaza. Em uma semana de ofensiva israelense, 175 pessoas morreram, sendo 32 delas crianças.

Além de serem vítimas, as crianças passam por traumas psicológicos de guerra que as afetam gravemente. “Meus quatro filhos pararam de comer, eles não têm nenhum apetite”, disse à Unicef da Palestina Sami, um engenheiro que vive em al-Karama, no norte da Faixa de Gaza, com sua esposa e as crianças, entre 4 a 13 anos de idade. “Nós tentamos e as forçamos a comer, mas não é fácil. Elas se sentam durante todo o dia, ouvindo os sons de ataques aéreos que tremem a mossa casa quase a cada 10 minutos”, acrescenta. “Meu filho mais novo, de quatro anos de idade, está tão aterrorizado que sempre que ouve uma explosão, corre rápido para me abraçar.”

Leia também: Vídeo mostra como é viver um dia na Faixa de Gaza

Navi Pillay, Alta Comissária de Direitos Humanos das Nações Unidas, disse que a ofensiva aérea de Israel pode estar violando leis internacionais que proíbem o ataque a civis. “Nós recebemos informações perturbadoras de que muitas das mortes civis, incluindo a de crianças, aconteceram como resultado de ataques a casas”, disse Pillay. “Essas informações levantam sérias dúvidas sobre se os ataques de Israel estão de acordo com leis internacionais de direitos humanos”, afirmou. Pillay disse que tanto o Exército de Israel, que diz ter atacado mais de 1.100 alvos que seriam locais de lançamento de foguetes, e os militantes de Gaza, que dispararam mais de 550 foguetes contra Israel, devem obedecer ao direito internacional.

O UNRWA, órgão da ONU que ajuda refugiados palestinos, disse que ao menos 17.000 pessoas do norte de Gaza buscaram refúgio em abrigos das Nações Unidas. “O fato de que em poucas horas 10.000 pessoas buscaram refúgio em 15 escolas é uma indicação de quão difícil está a situação no local”, disse Sami Mshasha, porta-voz do UNRWA.

Enquanto isso, o conflito não mostra sinais de estar diminuindo, apesar da pressão internacional da ONU, EUA e Egito. Nesta segunda, Israel afirmou ter derrubado um drone de Gaza durante sua ofensiva no primeiro envio de um aparelho não tripulado por parte de militantes palestinos, cujos foguetes disparados contra o território israelense têm sido de modo geral interceptados. O Hamas, o grupo islâmico que governa Gaza, afirmou que seu braço armado enviou diversos drones para realizar "missões especiais" no interior de Israel --um desdobramento que, se confirmado, marcaria um avanço na sofisticação de seu arsenal.

(Com AP e Reuters)