NOTÍCIAS
10/07/2014 10:13 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

8 maneiras simples de entrar em contato com a sua criança interior

Você se lembra de quando era criança e tudo era novidade? Tudo era lindo e deslumbrante. Infelizmente, as exigências da vida – trabalho, relacionamentos, dinheiro, preocupações com saúde – nos fazem perder esse deslumbramento. Mas não significa que isso esteja perdido para sempre; aqui estão oito maneiras de recuperar essas sensações:

1. Coloque-se em situações desconhecidas

Os cérebros de bebês e crianças pequenas são “plásticos”, diz Alison Gopnik, professora de psicologia, professora afiliada de filosofia da Universidade da Califórnia em Berkeley e autora de The Philosophical Baby: What Children’s Minds Tell Us About Truth, Love, and the Meaning of Life (em tradução livre, "O bebê filosófico: o que a mente das crianças nos diz sobre a verdade, o amor e o sentido da vida"). Isso significa que estamos constantemente fazendo novas conexões, muitas delas. “As evidências, hoje, são de que esse potencial existe até mesmo na idade avançada”, diz ela. “Provavelmente não tanto quanto na infância, mas fazer coisas novas – expor-se a novas atividades – pode induzir essa plasticidade (no cérebro).”

A chave é procurar coisas que sejam realmente novas para você. Aprender uma língua ou um instrumento, ou então cair na estrada. “Viajando para um novo país você fica um pouco menos competente”, diz Gopnik. “Não consegue fazer pedidos no restaurante, se perde... O resultado disso tudo é que você recebe todas essas informações novas de uma só vez, como (sempre) acontece com as crianças.”

2. Aprenda “explorando”

“Nós adultos tendemos a aprender a resolver os problemas que precisam de solução agora”, diz Gopnik. “Bebês e crianças não têm problemas que precisam de solução imediata, então eles concentram as energias em explorar diferentes possibilidades.” E aí está a diferença: aprender “explorando” significa aprender simplesmente por aprender, sem ter um objetivo final claro. Tentar coisas novas simplesmente para experimentá-las vai forçá-lo a pensar de maneiras diferentes.

3. Tenha um hobby criativo

É difícil se sentir curioso e despreocupado quando você passa a maior parte do tempo no trabalho, cumprindo obrigações e cuidando da casa. Por isso é importante separar um tempo, por menor que seja, para alguma atividade que estimule sua criatividade.

“Quando fazemos algo criativo, canalizamos nossa criança interior”, diz Gabrielle Bernstein, blogueira da HuffPost e autora de Miracles Now ("Milagres agora", em tradução livre). “A criatividade nos dá a liberdade para sermos nós mesmos e agir livremente.”

4. Olhe para cima

Existe um mundo enorme à sua volta, mas é fácil enxergar o mundo com uma lupa, correndo de uma atividade para a outra. “Conforme fui envelhecendo, me esquecia de olhar para o céu. Passo a vida olhando para a tela do celular, correndo para o próximo evento e, portanto, deixando a vida passar”, diz Bernstein. Faça como as crianças, que são especialistas em curtir o ambiente, e pare de vez em quando para reparar no que está acontecendo à sua volta.

5. Passe tempo na companhia de crianças

“Tenho um neto de dois anos e meio, e passar um dia com ele é perceber quanta riqueza existe (no mundo)”, diz Gopnik. É claro que, ao tomar conta de uma criança, você simplesmente tem de vesti-la para poder sair. Mas quando sobra um tempo e você consegue “desacelerar e curtir o zen de estar com uma criança”, aproveite, diz Gopnik.

“Conte quantos experimentos uma criança de 2, 3 ou 4 anos faz em cinco minutos”, diz ela. “Se eu pudesse fazer isso (explorar) em um ano, me sentiria uma ótima cientista!”

6. Faça uma coisa consciente por dia...

Ter consciência ajuda a estar presente no momento, diz a psicóloga Leslie Becker-Phelps, e é uma das coisas que os adultos admiram nas crianças: “Elas estão completamente envolvidas em suas experiências, abertas ao que ela tem para oferecer”. Ou, como diz Bernstein: “As crianças não se preocupam com o passado ou o futuro. É no momento presente você consegue ter a experiência da vida”.

Não precisa ser algo que tome tempo ou que seja muito formal. “Preste atenção em sua respiração por alguns instantes. Ande uma distância pequena prestando atenção no seu corpo – a sola dos pés, as pernas. Pique uma cenoura prestando atenção na sensação da faca em sua mão e no movimento de cortar”, sugere Becker-Phelps.

7. ...E uma coisa por dia só porque você está com vontade

Dance. Assista aquele programa de TV que você estava querendo ver havia tempos. Encontre um amigo. As crianças fazem isso o tempo todo, simplesmente porque têm vontade. Siga o exemplo delas e faça algo todos os dias “só porque você está com vontade”, diz Becker-Phelps. “Conecte-se com o desejo de explorar e ter certas experiências.”

8. Anote as coisas boas

As crianças ficam super empolgadas com as pequenas coisas que acontecem com elas e se lembram delas por dias – contando para os pais como elas se divertiram no parque ou aquela coisa engraçada que ouviram na escola. Vale a pena lembrar as coisas boas que acontecem no dia-a-dia. “Todas as noites, escreva as três coisas que foram bênçãos no seu dia”, sugere Becker-Phelps. “Pode ser algo importante como uma formatura ou simples como uma borboleta rodeando uma flor.”