NOTÍCIAS
04/07/2014 09:51 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Descubra como surgiu o rumor de que a seleção da Argélia doaria sua premiação da Copa a Gaza

Ramzi Boudina/Reuters

Sabe aquele rumor viral que enganou até vários veículos jornalísticos nos últimos dias de que a seleção da Argélia vai doar sua premiação de nove milhões de dólares à Faixa de Gaza? Então, é mentira.

Segundo o Huffington Post no Maghreb, a seleção argeliana nunca anunciou o que pretende fazer com o prêmio recebido na Copa do Mundo, apesar de ser solidária aos palestinos. A seleção até segurou a bandeira palestina ao lado da argeliana quando retornou ao país, com uma recepção calorosa da população digna de heróis, diga-se. Mas, até o momento, o ato heroico de doar nove milhões aos palestinos em Gaza não foi concretizado.

O rumor começou com o jornal argeliano de língua árabe El Khabar, informa o Huffington Post no Maghreb. É do jornal a aspa fabricada do jogador Islam Slimani: “nós não precisamos do seu dinheiro, doe a Gaza”. Era uma resposta à cantora Khalijie Ahlam, que havia prometido um montante de 10.000 dólares a cada jogador argeliano que marcasse um bom gol na Copa do Mundo. O El Khabar não citou qualquer fonte sobre a declaração de Slimani.

Só que a informação foi republicada em vários jornais de língua árabe, todos citando El Khabar como fonte. As declarações foram “enriquecidas” e, de uma resposta a uma cantora, virou uma promessa do próprio jogador. "Não precisamos desse dinheiro, vamos doar a Gaza" é a aspa "tonificada"

Depois que o jornal The Independent publicou a informação, citando um jogador da Jordânia e um jornal holandês, muitos outros veículos atribuíram a informação ao The Independent, mas o fato nunca foi apurado. Então, voilà: um viral falsificado tomou conta da internet.

Agora que o rumor foi espalhado, será que a seleção vai fazer alguma doação a Gaza? É o mínimo que se espera.

O Brasil Post entrou em contato com a seleção argeliana para obter uma posição sobre o rumor, mas até o fechamento desta matéria não recebeu resposta.

(Via Huffington Post Maghreb)