NOTÍCIAS
03/07/2014 10:12 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:23 -02

O bebê ariano perfeito era, na verdade, uma judia

USC Shoah Foundation

Em 1935, o partido nazista alemão fez um concurso para achar o bebê ariano mais perfeito para colocá-lo na capa da Sonne ins Hause, uma revista nazista "para a família". Eles encontraram o bebê ideal, mas nunca descobriram que ela era, na verdade, uma judia.

Hessy Taft tinha seis meses de idade quando sua mãe a levou ao fotógrafo Hans Ballin, em Berlim, para tirar sua foto. A Segunda Guerra Mundial ainda não havia começado, mas o antissemitismo e a marginalização de judeus já era a realidade da Alemanha.

Quando a foto da pequena Hessy foi parar na capa de uma revista nazi de grande distribuição, sua mãe teve medo de que sua família fosse exposta como judia e perseguida.

A mãe de Hessy então foi até Ballin para perguntar a ele como a imagem foi parar no concurso do "mais bonito bebê ariano", ao que ele respondeu: "Eu queria ridicularizar os nazistas".

A família Taft manteve a filha escondida depois disso, já que a foto começou a circular nacionalmente em cartões postais nazistas e eles temiam que ela seria reconhecida. Mas os nazistas nunca souberam de sua identidade judia.

Agora, quase 80 anos depois, a pequena Hessy Taft está crescida e trabalha como professora de química na Universidade Católica de St John, em Nova York. Em junho, ela apresentou uma edição da revista nazista com a foto e tudo ao Memorial Yad Vashem do Holocausto em Israel e compartilhou sua história com a Fundação Shoah.

"Eu posso rir disso agora", disse Taft em uma entrevista ao jornal alemão Bild. "Mas se os nazistas soubessem quem eu realmente era, eu não estaria viva".

Taft escapou por pouco do Holocausto quando a Gestapo prendeu seu pai por acusações de fraude fiscal. Por sorte, seu contador, um membro do partido nazista, o defendeu, e a família conseguiu fugir para Latvia, e então França. Quando os nazistas tomaram Paris, os Taft fugiram para Cuba com ajuda da resistência francesa e, então, foram viver nos EUA em 1949.

Durante sua apresentação no Memorial em Israel, Hessy disse: "Eu me sinto um pouco vingada, algo parecido com satisfação".

As imagens de Hessy Taft são uma cortesia da Fundação Shoah.