MULHERES
29/06/2014 13:52 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:46 -02

Em entrevista histórica, papa acusa comunismo de roubar bandeira cristã e faz piada sobre as mulheres

Alessandro Bianchi/Reuters

Na primeira entrevista exclusiva concedida pelo papa a uma mulher, Francisco falou sobre comunismo e misoginia na Igreja Católica. Franca Giansoldati, do jornal italiano Il Mesaggero, bem que tentou, mas o papa Francisco não quis se comprometer a apontar uma mulher como chefe de um departamento do Vaticano.

Giansoldati perguntou se poderia fazer uma crítica e, diante da afirmativa, disse que o papa fala pouco sobre as mulheres e, quando fala, é apenas de um ponto de vista da maternidade e do casamento, enquanto as mulheres lideram estados, multinacionais e exércitos. "Na Igreja, para o senhor, que lugar as mulheres ocupam?", questionou a jornalista.

Leia também: Papa diz que não é super-homem

"As mulheres são a coisa mais bonita que Deus fez. A Igreja é mulher. Igreja é uma palavra feminina. Não se pode fazer teologia sem essa feminilidade. Mas sim, você tem razão, não se fala o suficiente. Concordo que devemos trabalhar mais a teologia das mulheres e sim, estamos trabalhando nesse sentido", respondeu o papa.

A jornalista então perguntou se não existe uma misoginia como pano de fundo nessa situação. "O fato é que a mulher veio de uma costela", disse Francisco, aos risos, para depois se desculpar explicando que era uma piada diante da perplexidade de Giansoldati. "Concordo que devemos nos aprofundar na questão feminina", limitou-se a comentar o papa.

Quando questionado se podemos esperar uma decisão histórica de Francisco, como uma mulher chefe de departamento do Vaticano, o papa apenas disse que os padres "acabam agindo sob a autoridade das donas de casa".

Comunismo

Na mesma entrevista, a jornalista comentou que as críticas de Francisco ao capitalismo desenfreado levaram alguns a rotulá-lo como marxista, no que ele respondeu que os comunistas roubaram a bandeira do cristianismo.

Ele foi questionado sobre um post no blog da revista Economist que dizia que ele soava como um leninista quando criticou o capitalismo e pediu uma reforma econômica radical.

"Eu só posso dizer que os comunistas têm roubado a nossa bandeira. A bandeira dos pobres é cristã. A pobreza está no centro de o Evangelho", disse ele, citando passagens bíblicas sobre a necessidade de ajudar os pobres, os doentes e os necessitados.

"Os comunistas dizem que tudo isso é comunismo. Claro, vinte séculos mais tarde. Então, quando eles falam, pode-se dizer: 'mas então você é cristão'", disse ele, rindo.

Desde sua eleição, em março de 2013, Francisco tem frequentemente atacado o sistema econômico global como sendo insensível aos pobres e não fazer o suficiente para compartilhar a riqueza com aqueles que mais precisam.

No início deste mês, ele criticou a riqueza feita a partir de especulação financeira como intolerável e disse que a especulação com commodities era um escândalo que comprometeu o acesso dos pobres aos alimentos.

(Com Reuters)