NOTÍCIAS
23/06/2014 18:54 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:45 -02

Brasil enfrenta o Chile nas oitavas e aposta no histórico dos times para avançar na Copa 2014

Montagem/Reuters

Líder do Grupo A, o Brasil enfrenta o Chile nas oitavas-de-final da Copa do Mundo de 2014. O duelo vai acontencer no próximo sábado, às 13h, no Mineirão. Se depender do retrospecto, a definição dos confrontos foi uma boa para a seleção canarinho. A Holanda, algoz em 2010, encara o México que venceu a Croácia por 3x1 na Arena Pernambuco e garantiu uma vaga na próxima fase. O jogo acontece no domingo, também às 13h, no Castelão.

Até o momento, Brasil e Chile já se enfrentaram em 66 oportunidades, com 46 vitórias da seleção canarinho, 13 empates e apenas sete derrotas. São 154 gols prós e somente 57 gols sofridos. A maior goleada no confronto também é brasileira, vitória de 6x0 no Estádio das Laranjeiras (RJ), em maio de 1919.

No duelo em Copas do Mundo, o Brasil tem 100% de aproveitamento. São três jogos: 4x2 pelas semifinais de 1962; 4x1 pelas oitavas-de-final de 1998; e 3x0 pelas oitavas-de-final de 2010. Fora da contagem oficial, as seleções olímpicas ainda se enfrentaram 19 vezes, com 13 vitórias brasileiras e seis empates. Confira a galeria de fotos.

Galeria de Fotos Brasil x Chile em Copas do Mundo Veja Fotos

Um episódio marcante aconteceu nas Eliminatórias da Copa de 1990. As seleções atuavam em um Maracanã lotado com mais de 140 mil torcedores, o Brasil vencia por 1x0, gol de Careca e encaminhava a classificação para o Mundial da Itália.

Eis que aos 24 minutos do 2º tempo, um sinalizador lançado ao gramado pela torcedora Rosenery Mello caiu próximo ao goleiro chileno Roberto Rojas, que aproveitou a situação para simular um corte no supercílio (na verdade, Rojas se cortou propositalmente com uma lâmina). A seleção do Chile abandonou o campo e o juiz argentino Juan Carlos Lostau encerrou a partida. Os brasileiros ficaram temerosos de o país perder a vaga, mas quando a farsa foi descoberta quem “pagou o pato” foi o Chile.

A Fifa baniu do futebol Roberto Rojas, o técnico Orlando Aravena, o médico Daniel Rodríguez e o dirigente Sergio Stoppel. O zagueiro Astengo pegou quatro anos de suspensão e a seleção chilena foi proibida de disputar as Eliminatórias para a Copa de 1994.