NOTÍCIAS
12/06/2014 09:45 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Papa envia mensagem sobre Copa: por um futebol com fraternidade e sem racismo

ASSOCIATED PRESS
In this photo provided by the Vatican newspaper L'Osservatore Romano, Pope Francis exchanges gifts with Brazilian President Dilma Rousseff during their audience at the Vatican, Friday, Feb. 21, 2014. (AP Photo/L'Osservatore Romano, ho)

O papa Francisco enviou nesta quinta-feira (12) uma mensagem para a Copa do Mundo no Brasil: que o futebol seja jogado com espírito de equipe e fraternidade, não uma exibição de racismo e ganância. A mensagem foi enviada via vídeo, que será transmitido mais tarde, mas Francisco também já falou sobre a Copa no Twitter.

O papa nascido na Argentina e fã de futebol gravou uma mensagem que será transmitida pela televisão brasileira antes da abertura da Copa com o jogo entre Brasil e Croácia.

Leia também: As várias faces do papa Francisco

No vídeo, o papa disse que o futebol ensina três lições que podem promover a paz e a solidariedade no mundo: a necessidade de treinar e trabalhar duro para fazer gols, a importância do jogo justo e do trabalho em equipe e a necessidade de respeitar e honrar os adversários.

“Para vencer, nós precisamos superar o individualismo, o egoísmo, todas as formas de racismo, intolerância e manipulação de pessoas”, disse. Francisco disse que ser ganancioso no futebol, como na vida, é um obstáculo.

“Não deixe ninguém virar as costas à sociedade e se sentir excluído!”, disse. “Não à segregação! Não ao racismo!”.

Ainda não está claro se Francisco vai acompanhar a performance da seleção argentina na Copa. Ele não tem uma televisão no quarto onde vive, mas pode conseguir uma, é claro. O papa é um fã antigo do clube San Lorenzo, de Buenos Aires, e tem ganhado uma enorme coleção de camisetas de times desde que foi anunciado papa. Em fevereiro, ele brincou que ficou tentado em torcer pelo Brasil depois que a presidente Dilma Rousseff deu a ele uma camiseta da seleção brasileira assinada por Pelé e Ronaldo. Dilma pediu “no mínimo, neutralidade”.

“O esporte não é apenas uma forma de entretenimento, mas também - e sobretudo, eu diria - uma ferramenta para comunicar valores que promovem o bem e ajudar a construir uma sociedade mais pacífica e fraternal”, disse o papa.

(Com AP)