NOTÍCIAS
11/06/2014 16:45 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Prefeito de Londres aceita ser atingido por canhão de água

John Giles/PA Archive
Irish police use water cannon to subdue protesters outside Phoenix Park, where the ceremony for EU enlargement took place earlier today.

O prefeito de Londres, Boris Johnson concordou em ser atingido por um jato de água dos caminhões que a polícia usa para dispersar protestos depois que a compra de três deles pelo preço de 218 mil libras causou polêmica no país.

Johnson disse à rádio LBC na manhã desta quarta-feira (11): "homem ou rato. Você me desafiou, então eu vou ter que fazer isso agora". "Eu consigo ver meus assessores arrancando os cabelos por causa disso, mas tudo bem, será feito. Obrigado por essa", disse o prefeito ao apresentador Nick Ferrari.

Na terça, foi revelado que Johnson ordenou a compra de três canhões de água, apesar da secretária Theresa May ainda não ter concordado se eles serão usados ou não.

Os canhões de água nunca foram usados em Londres, apesar de eles terem sido enviados para o norte da Irlanda. O prefeito comprou os veículos da polícia federal britânica.

Em fevereiro, um pensionista alemão disse que ficou cego depois de ser atingido por um jato de água da polícia. Dietrich Wagner ficou inconsciente e com a visão irreparavelmente danificada quando o jato de água atingiu seu rosto em um protesto ambiental em Stuttgart, Alemanha.

Ele avisou: "desde que eu fui atingido, minha vida mudou drasticamente. Eu não posso dirigir, ir às compras, ler ou fazer qualquer outra coisa que eu costumava fazer. Minha mensagem é a de que a polícia precisa saber que esses canhões não são apenas um grande chuveiro, são armas letais que machucam". As pálpebras dele foram destroçadas, machucando as lentes dos olhos e fraturando seu osso orbital em torno do olho.

Democratas liberais e trabalhistas condenaram a compra como "irresponsável", insistindo que ainda não há evidências de que a tática seja efetiva em manter a ordem.

Caroline Pidgeon, líder democrata da Assembleia de Londres, disse: "não há evidências que defendem a existência de canhões de água em Londres. Depois de três audiências na Prefeitura contra o uso dos jatos de água, foi constrangedor. Os membros da Assembleia de Londres de todos os partidos expressaram sua total oposição a um dos piores aspectos da polícia europeia ser adotado em Londres. A recusa do prefeito em ouvir as evidências apresentadas é vergonhosa".

O comissionário da polícia metropolitana (Met), Sir Bernard Hogan-Howe, disse que os canhões de água seriam "raramente vistos e raramente usados".