NOTÍCIAS
10/06/2014 14:30 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Comediante debocha da Fifa e explica por que os brasileiros estão empolgados e revoltados com a Copa ao mesmo tempo

Na última edição do programa Last Week Tonight, o comediante John Oliver deu uma brilhante (e cômica) explicação do que significa a Copa do Mundo e de por que os brasileiros estão revoltados com FIFA, uma “organização comicamente grotesca”, segundo ele.

O vídeo, publicado há dois dias, já teve mais de um milhão e meio de visualizações e está entre os cinco mais assistidos do YouTube nos Estados Unidos.

No começo do vídeo, que só está disponível em inglês, uma brasileira diz que futebol é como uma religião no Brasil e Oliver fala que os brasileiros se empolgam com qualquer coisa, mostrando um desfile de carnaval da Sapucaí. “É assim que eles celebram o fato de que estamos quase na quaresma”, diz. “Eles também são os maiores fãs de futebol do mundo, então eles devem estar emocionados com a ideia de receber a Copa do Mundo” - corta para cenas de confronto em um protesto contra a Copa.

Veja também: 13 grafites impactantes sobre a Copa

“Isso não faz sentido, por que você ficaria infeliz ao receber o que você mais ama?”, questiona Oliver, para ter sua pergunta respondida por trechos de reportagens sobre os gastos de 11 bilhões de dólares do governo na copa e o estádio de 600 milhões de reais de Manaus, que se tornará "a mais cara privada de pássaros do mundo", nas palavras do comediante.

Então Oliver faz uma comparação interessante.“Pense em dinheiro público do Brasil como pelos púbicos e a Fifa como cera de depilação. Durante a copa, a Fifa estará envolvida com o Brasil, mas quando acabar, eles levarão o dinheiro com eles, incluindo de alguns lugares em que você nem sabia que tinha algum dinheiro”.

Até que Oliver lembra que a Fifa deixa algo para trás: novas leis. Em 2003, o governo aprovou uma lei proibindo a venda de bebidas alcóolicas nos estádios por causa das mortes decorrentes de briga durante e depois das partidas. Mas a Fifa tem suas próprias leis, e o governo brasileiro se rendeu a elas, permitindo a venda de cerveja nos estádios, já que a Budweiser é uma patrocinadora.

Leia também: Preço da comida nos estádios também é "padrão Fifa"

Oliver fala também dos escândalos de corrupção que derrubaram uma série de executivos e que, mesmo assim, o presidente da Fifa, Sepp Blatter, continua insistindo que a organização não tem fins lucrativos. Corta para uma entrevista da Al Jazeera com Blatter em que ele é questionado pelo entrevistador: “uma organização sem fins lucrativos com um bilhão de dólares na conta?”. “Isso é uma reserva”, responde Blatter.

Para ter uma ideia de como é a personalidade de Blatter, Oliver cita a sugestão dele para aumentar o sucesso do futebol feminino. Para Blatter, a solução é shorts mais curtos para as mulheres.

No final, Oliver fala de um paradoxo enfrentado por muitos brasileiros: apesar de todos os problemas, há uma incontrolável empolgação com a Copa. Ele volta para o início e diz que futebol é uma religião, mas uma religião organizada em que a Fifa é a Igreja.“Seu líder (Blatter) é indestrutível, países da América Latina gastam dinheiro que não tem construindo catedrais opulentas e será responsável por um número absurdo de mortes no Oriente Médio, mas, para milhões de pessoas no mundo como eu, é o guardião da única coisa que dá algum sentido à vida deles”. Bateu uma identificação?