COMPORTAMENTO
30/05/2014 10:12 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:42 -02

Como a ansiedade afeta o seu corpo (INFOGRÁFICO)

Ninguém gosta de sofrer episódios de estresse ou ansiedade –e, quando isso se torna uma ocorrência crônica, os impactos podem variar de uma irritação pouco importante até um perigo para a saúde. Quer você esteja sofrendo uma situação altamente estressante isolada ou seja um dos 40 milhões de americanos que sofrem de transtorno de ansiedade, sua reação física à emoção pode afetá-lo de mais maneiras do que você imagina. Leia mais para descobrir como a ansiedade modifica seu corpo, quer seja uma reação imediata ao estresse ou uma batalha de longo prazo.

ansiedade

Infográfico de Alissa Scheller para o The Huffington Post.


Quando seu corpo sofre o efeito da ansiedade, você pode apresentar...

Problemas de garganta. Aquela voz esganiçada que parece ter tomado conta de suas cordas vocais é sua reação imediata a uma situação estressante. Quando sentimentos de ansiedade se manifestam, os fluidos são desviados para partes mais essenciais do corpo, provocando espasmos nos músculos da garganta. Isso resulta em constrição, deixando a garganta seca e provocando dificuldade em engolir.

Reações hepáticas. Quando o corpo sofre estresse e ansiedade, o sistema suprarrenal produz uma quantidade excessiva de cortisol, o hormônio do estresse. Essa produção hormonal leva o fígado a produzir mais glucose, o açúcar sanguíneo de alto teor energético que desencadeia nossas reações de “lutar ou fugir”. No caso da maioria das pessoas, esse açúcar sanguíneo adicional no corpo pode ser reabsorvido sem causar danos reais. Mas as pessoas com risco de diabetes podem ter problemas de saúde com o açúcar sanguíneo adicional.

Reações de pele. Aquele suor frio ou o rubor quente de seu rosto são sinais externos de estresse imediato e são devidos a uma mudança no fluxo sanguíneo. Quando sofremos ansiedade, o sistema “lutar ou fugir” do corpo manda mais sangue aos músculos – uma reação útil quando há necessidade imediata de usá-los. Mas uma exposição de longo prazo a essa reação pode acelerar o envelhecimento da pele. Outras reações de pele incluem a transpiração e até elevações no nível de histamina, que podem gerar inchaço. De acordo com o Centro Médico da Universidade de Maryland, o estresse e ansiedade agudos também podem desencadear eczema.

Ativação do baço. A ansiedade não afeta apenas os órgãos mais óbvios, como cérebro e coração: ela atinge até as funções internas, como o baço e as células sanguíneas. Para distribuir mais oxigênio ao corpo, que pode ter sofrido baixa de oxigênio durante a situação que provocou o estresse, o baço descarrega glóbulos vermelhos e brancos adicionais. Seu fluxo sanguíneo aumenta em 300% a 400% durante esse processo, para preparar o resto do corpo para demandas adicionais.

Tensão muscular. Quando você começa a sentir ansiedade, seu corpo naturalmente fica mais rígido, tensionando os grandes grupos musculares. O estresse e ansiedade crônicos podem exacerbar essa tensão, resultando em dores de cabeça, ombros enrijecidos, dor na nuca e até enxaquecas. As pessoas submetidas a estresse constante sofrem risco maior de problemas musculoesqueléticos crônicos.

Depois de algum tempo, a ansiedade crônica pode afetar...

Seu coração. Os estressados e ansiosos crônicos apresentam risco maior de problemas cardiovasculares, devido à frequência cardíaca constantemente elevada, a pressão sanguínea elevada e a superexposição ao cortisol. De acordo com a Associação Psicológica Americana, o estresse de longo prazo pode acarretar hipertensão, arritmias e um risco aumentado de ataque cardíaco e acidente vascular cerebral.

Seus pulmões. Estudos comprovam que existe uma relação entre os sofredores de transtornos de ansiedade e a asma. Os asmáticos também têm probabilidade maior de sofrer ataques de pânico. De acordo com pesquisa conduzida pela USP, também pode existir um vínculo entre ansiedade, asma e seus efeitos sobre o equilíbrio.

Seu cérebro. A reação mais evidente à ansiedade é a resposta psicológica à condição. O estresse e ansiedade crônicos podem afetar áreas do cérebro que influenciam a memória de longo prazo, a memória de curto prazo e a produção química, o que pode resultar num desequilíbrio. Soma-se a isso o fato de que o estresse crônico pode ativar continuamente o sistema nervoso, que, por sua vez, pode influenciar outros sistemas do corpo, desencadeando reações físicas, desgaste corporal, fadiga e outros sintomas.

As pessoas que sofrem de ansiedade também têm dificuldade em adormecer, pelo fato de ficarem remoendo pensamentos preocupantes. Aproximadamente 54% das pessoas dizem que o estresse e a ansiedade influenciam sua capacidade de pegar no sono, e mais de 50% dos homens e 40% das mulheres sofrem dificuldades de concentração no dia seguinte em consequência disso, revela a Associação de Ansiedade e Depressão americana.

Seu sistema imunológico. A exposição ao estresse pode cobrar um preço do sistema imunológico, levando essa função a ser suprimida devido à reação “lutar ou fugir” de seu organismo. Estudos constataram também que, quando estamos estressados, temos mais chances de contrair um resfriado e ficamos mais suscetíveis a infecções e inflamações.

Seu estômago. Quando seu corpo sofre estresse, ele não regula corretamente a digestão dos alimentos. O estresse crônico e extremo pode ter efeitos de longo prazo sobre os intestinos e os nutrientes que eles absorvem, provocando refluxo, inchaço, diarreia e ocasionalmente até o descontrole intestinal.

O estresse e a ansiedade de longo prazo também podem alterar o metabolismo corporal, levando ao ganho de peso e possivelmente à obesidade. Um estudo constatou que a liberação constante de cortisol no sangue pode reduzir a sensibilidade à insulina, e outra pesquisa recente encontrou uma associação entre adultos que sofrem de ansiedade e úlceras diagnosticadas por médicos.