NOTÍCIAS
27/05/2014 10:51 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Metroviários estudam liberar catracas como alternativa para greve em São Paulo

DARIO OLIVEIRA/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO

Em meio a uma sequência de greves no País, os metroviários de São Paulo estudam uma alternativa de protesto para não prejudicar a população. Nesta terça-feira (26), eles fazem uma assembleia para votar a proposta de reajuste salarial do Metrô. Se rejeitarem, podem optar por liberar as catracas para os passageiros, conforme reportagem do portal R7.

"Se o governo está preocupado com a Copa, com a circulação das pessoas, com todo o movimento, nós temos uma alternativa: trocamos a greve pela catraca livre", afirma o presidente do sindicato dos metroviários, Altino Melo, ao repórter Fernando Mellis. "Porque aí seria uma pressão para o governo, e a gente não atrapalharia ninguém", defende.

A categoria quer um aumento superior a 35%, mais aumento de 13,25% no vale-refeição, além de plano de saúde para aposentados e participação de resultados igualitária. A última oferta do Metrô foi conceder um reajuste de 5,2%.

Pessimista em relação às negociações, o presidente do sindicato pondera que a decisão por catraca livre, sem cobrar bilhetes dos usuários do metrô, também depende da assembleia dos metroviários. "Tem que ter algum tipo de pressão; no limite, nós vamos ter greve."

LEIA MAIS:

- Greve de ônibus em SP: Justiça multa sindicatos em R$ 200 mil

- Trabalhadores aproveitam clima de #NãoVaiTerCopa para pressionar governo em ano eleitoral