NOTÍCIAS
21/05/2014 10:00 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

O segredo de 13 pessoas de sucesso para manter o pique

Getty

Certa vez a comediante Carrie Snow disse, "Nenhum dia é tão ruim que não possa ser remediado com um cochilo”. E talvez ela tenha razão. Apesar de todos sabermos que devemos dormir pelo menos sete ou oito horas por noite para obter o máximo benefício para a nossa saúde, muitos de nós acabamos não priorizando o sono. Se você está com um déficit de sono, um cochilo pode fazer toda a diferença.

O cochilo já oferece vários benefícios por si só. A ciência já comprovou que um cochilinho rápido pode ajudá-lo a sentir-se mais atento, aumentar a criatividade, turbinar a sua produtividade, reduzir o estresse e melhorar o seu humor. E se você puder se dar ao luxo de dormir pelo menos 60 minutos, pode até melhorar a sua memória e capacidade de aprendizagem também.

"Dormir o suficiente nos torna mais produtivos, criativos, menos estressados e muito mais saudáveis e felizes”, disse a Presidente e Editora Chefe do HuffPost Arianna Huffington no programa "Today" da rede Americana de TV NBC ano passado. "Até um cochilo de apenas 20 minutos no meio do dia pode fazer uma enorme diferença. Eu cresci achando que se você trabalha 24 horas por dia, você será mais eficaz, mas hoje entendo que isso não é verdade”.

Muitas figuras históricas célebres e pessoas bem-sucedidas dos tempos modernos dependem de um bom cochilo para restaurar o corpo e a mente quando o cansaço bate.

Veja a seguir 13 pessoas de grande sucesso conhecidas por tirar cochilos para manter o pique ao longo do dia.

Thomas Edison

Dizem que esse inventor e homem de negócios orgulhava-se de dormir perto de três a quarto horas por noite. No entanto, ele secretamente tirava cochilos para equilibrar o intenso ritmo de trabalho. Ele espalhava colchonetes pela casa, laboratórios e bibliotecas para quando precisasse recarregar as baterias com um cochilo.

Emmy Rossum

Quanto mais corrido fica a agenda dela, mais a atriz Emmy Rossum tenta priorizar o seu sono. Em uma entrevista à repórter do HuffPost Live, Caitlyn Becker, a atriz e musicista diz que ela luta para manter a motivação sem dormir, e que os cochilos, às vezes, são a única maneira que ela consegue descansar.

"O sono é importante", ela diz. "Cochilo bastante… eu literalmente cochilo entre entrevistas”.

Leonardo da Vinci

O homem renascentista Leonardo da Vinci era um cochilador profissional. Ele supostamente tirava cochilos de 15 minutos a cada 4 horas, totalizando apenas 1.5 horas cada dia. Esse padrão de dormir não mais do que cinco horas por dia é conhecido como o "sono dos gênios."

Bill Clinton

O ex-presidente, que já foi pego cochilando em momentos nada propícios, conseguia pegar no sono mesmo estando em pé, apoiado em uma parede, se fosse necessário. Ele dependia bastante desses cochilos rápidos durante o seu tempo na Casa Branca.

"Nos dias em que durmo pouco, tento achar um tempinho para me deitar por apenas 15 minutos ou meia hora, porque faz toda a diferença do mundo”, Clinton revelou ao âncora da CBS News, Dan Rather.

Margaret Thatcher

Apesar da Dama de Ferro ser conhecida por dormir apenas quatro horas por noite, ela agendava um cochilo de uma hora no meio de cada tarde para manter a energia. O jornal The Guardian relatou que Thatcher dizia a seus assistente para não chamá-la entre 14:30 e 15:30 para que ela pudesse descansar.

Winston Churchill

Churchill disse certa vez, “A natureza não criou o homem para trabalhar das oito da manhã até a meia-noite sem o renovo de um abençoado descanso que, ainda que dure apenas 20 minutos, é o suficiente para renovar todas as forças vitais”.

Dá para imaginar, então, que nada e ninguém impediam esse homem de tirar o seu cochilo. Da mesma forma que Edison, ele tinha uma cama no Parlamento para garantir o cochilo quando ele mais precisasse.

Charlie Rose

Quando um repórter da Hollywood Reporter perguntou ao mais árduo trabalhador da televisão quando ele encontra tempo para dormir, Rose disse que ele tira dois cochilos por dia para sentir-se mais eficiente. Esse hábito foi desenvolvido no tempo em que era estudante de direito. “Se tenho que escolher entre mais 30 minutos de preparo para uma entrevista ou um cochilo de 30 minutos, vou cochilar”, ele disse.

Eleanor Roosevelt

A primeira dama e esposa do presidente americano Franklin D. Roosevelt ficou famosa por tirar rápidos cochilos antes de fazer discursos. O descanso, ainda que pouco, renovava sua energia, o que fazia toda a diferença ao discursar para o público que a adorava.

Arnold Schwarzenegger

O ator e ex-governador da Califórnia gosta de tirar um cochilo tranquilo no meio da tarde. De acordo com o jornal London Evening Standard, ele treina durante duas horas na academia todo dia, transmite muita energia para as câmeras e descansa nos bastidores. Ele até se acostumou a cochilar na movimentada praia de Venice Beach para pegar um bronzeado enquanto descansava.

Salvador Dali

O mestre do surrealismo também inventou o micro-cochilo, que consiste em adormecer profundamente por apenas alguns segundos. Ele ficava sentado, segurando uma chave entre os dedos, para que quando caísse no sono profundo, a chave caísse no chão, o que o acordaria, supostamente revigorado e pronto para continuar trabalhando.

Yogi Berra

O famoso ex-jogador de baseball do time New York Yankees também é um dos esportistas mais citados do mundo. Apesar da matemática duvidosa ao dizer “Eu geralmente tiro um cochilo de uma às quatro da tarde”, o sentimento ainda é válido de que essa lenda do baseball também precisava descansar no meio do dia.

John F. Kennedy

Reza a lenda que JFK, como era conhecido o famoso presidente americano, almoçava na cama para já tirar o seu cochilo diário logo em seguida. Cada soneca durava de uma a duas horas, e ele fazia questão de que o seu quarto estivesse sempre escuro e limpo para que pudesse aproveitar ao máximo o cochilo.

Ronald Reagan

Os cochilos de Reagan causavam controvérsia: muitos achavam que os seus hábitos de descanso afetam diretamente a forma em que ele administrava o seu governo. Independente disso, ele encarava as críticas com bom humor, muitas vezes fazendo até piadas sobre ter cochilado durante reuniões.