NOTÍCIAS
10/05/2014 18:48 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Polícia Federal investiga mensagens com ameaças de morte a Joaquim Barbosa no Facebook

Experimente! Se você fizer uma busca agora por "Joaquim Barbosa" em qualquer site social choverão mensagens dos mais diversos tipos sobre o ministro do Supremo Tribunal Federal. Algumas são grandes baboseiras, brincadeiras de gosto duvidoso, mas outras com certeza preocupam (e incomodam) muito Joaquim.

A pedido do STF, a Polícia Federal investiga os autores de supostas ameças de morte publicadas no Facebook contra o ministro. Quem conta é a VEJA desta semana que diz que após meses de investigação a PF conseguiu identificar um dos autores dessas mensagens.

São dois processos de investigação abertos, e em um deles os investigadores ligaram o perfil no Facebook com o nome de Sérvolo Aimoré-Botocudo de Oliveira a Sérvolo de Oliveira e Silva, que seria secretário de organização do diretório do PT em Natal e membro da Comissão de Ética do partido no Rio Grande do Norte.

Fizemos duas buscas, e além do perfil no Facebook onde Sérvolo teria publicado a mensagem reproduzida seguir, ele também tem uma conta no Twitter, cheia de fotos pessoais e tweets sobre o Botagofo ("Time do coração").

(Reprodução via Twitter)

Em entrevista à VEJA, Sérvolo disse que falou ao tiro na cabeça em recordação da morte do PC Farias. "A burguesia brasileira age assim. Sou do candomblé, não tenho coragem de matar ninguém", completando ainda que se quisesse de fato matar alguém não postaria a ameaça na internet.

Procurada na sexta-feira (10) pelo Estadão, a direção nacional do Partido dos Trabalhadores disse que não iria se manifestar sobre o tema. Sérvolo não foi localizado pelos repórteres. O jornal também conta que depois que começou a ser investigado pela PF, ele se mudou para Foz de Iguaçu.

No outro inquérito, segundo pedido do Ministério Público Federal, a PF investiga quem está por trás do perfil chamado "Antônio Granado".

Ameaça de morte pode render uma pena de até seis meses de prisão, de acordo com o Código Penal. Ainda não há informações de investigações da Polícia Federal sobre as caixas de comentários dos portais de notícias. Imagina...

(Com informações de Estadão Conteúdo)