NOTÍCIAS
28/04/2014 14:37 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:29 -02

Petrobras admite que gasto com refinaria de Pasadena foi maior que estimado

Fábio Motta/Estadão Conteúdo

A Petrobras confirmou nesta segunda-feira (28), em nota, que os gastos da estatal com a refinaria de Pasadena, na cidade norte-americana do Texas, foram bem maiores do que os US$ 1,249 bilhão que vinha sendo anunciado.

Em resposta à reportagem do jornal O Globo desta segunda-feira, a estatal confirmou em nota que os gastos totais ultrapassam os US$ 1,9 bilhão. A nota informa que a Petrobras gastou US$ 650 milhões com a refinaria de Pasadena até novembro de 2008, incluída a aquisição dos primeiros 50%; mais US$ 820,5 milhões pela segunda parte do empreendimento; e disse que "em qualquer cenário de continuidade da refinaria" seriam necessários US$ 275 milhões em investimento em sustentabilidade, conforme apresentação da Petrobras América de abril de 2009.

A nota sustenta que, além dos pagamentos feitos à Astra de US$ 1.249 milhões (valor inicialmente anunciado como o valor total da operação), foram gastos com recursos adicionais nas melhorias operacionais, de segurança e ambientais, necessários ao bom funcionamento da usina.

LEIA TAMBÉM

Reportagem revela novos documentos que demonstram má gestão da Petrobras no caso Astra

Justiça aceita denúncia contra doleiro Alberto Yousseff e ex-diretor da Petrobras

A nota detalha que na aquisição de Pasadena foram gastos US$ 554 milhões relativos à PRSI-Refinaria, US$ 341 milhões relativos à PRST-Trading e “demais gastos” que somaram US$ 354 milhões).

A nota conclui informando que da aquisição em setembro de 2006 até 2013 foram investidos mais US$ 685 milhões em melhorias operacionais, manutenção, paradas programadas, além de segurança, meio ambiente e saúde.

Graça Foster explicará compra de Pasadena nesta quarta

A presidente da Petrobras, Graça Foster, irá à Câmara nesta quarta-feira (30) para prestar esclarecimentos sobre a compra da refinaria de Pasadena (EUA), que teria ocasionado perdas contábeis superiores a US$ 500 milhões à estatal brasileira.

A vinda da presidente é um acordo para evitar a convocação do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão.

O líder do PMDB, Eduardo Cunha (RJ), lembrou na semana passada que o acordo para Graça Foster comparecer à comissão já foi descumprido, pois previa o comparecimento dela até o dia 15 deste mês, o que não ocorreu. “Se ela não comparecer novamente no dia 30, vamos convocar o ministro sim, pois o acordo foi feito com ele e não com a presidente da Petrobras”, disse o líder.

O deputado José Guimarães (PT-CE) criticou o “clima de desconfiança” em relação ao governo. Segundo ele, até hoje o governo tem cumprido todos os acordos e não concorda com “essa espada da desconfiança”.

Em depoimento no Senado neste mês, Graça Foster reconheceu que “não foi definitivamente um bom negócio”.

A audiência será realizada no plenário 9, às 10 horas.

(Com Agência Câmara)