NOTÍCIAS
28/04/2014 15:06 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:29 -02

Lula candidato a presidente: petista quer voltar ao Planalto em 2014, diz colunista

Heinrich Aikawa/Instituto Lula

A colunista Joyce Pascowitch, do UOL, traz uma novidade apurada com pessoas muito próximas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo a jornalista, Lula deverá concorrer à Presidência da República pelo PT nas eleições de outubro, no lugar da atual presidente Dilma Rousseff.

Joyce informa que o petista histórico acertou o propósito de retornar ao Planalto "nesse fim de semana para amigos mais próximos". Na avaliação dela, a candidatura de Lula seria um alento ao "alto empresariado brasileiro", que enfrenta empecilhos no relacionamento com o Palácio do Planalto.

A informação de Joyce vai de encontro com o texto publicado pela Folha de S. Paulo nesta segunda-feira (28), com base em uma entrevista de Lula à RTP, canal de televisão de Portugal. Lula afirmou que não seria candidato em outubro. "Vou para a rua fazer campanha para a Dilma", disse. "Quero ser importante pela minha capacidade de trabalho. Eu não preciso de cargo; eu vou fazer política."

Porém, em determinado trecho da entrevista, Lula foi um pouco evasivo. "Em política, a gente nunca pode dizer 'não'. Mas eu acho que já cumpri com a minha tarefa no Brasil". Quer dizer, ele não pode assegurar que não será candidato e apenas 'acha' que cumpriu com sua tarefa política – oficialmente e detendo um cargo.

A revista Veja deste fim de semana afirma que existe uma tensão muito grande entre as alas dilmista e lulista do PT. A queda de braço pode fazer como maior vítima a reeleição do próprio PT em outubro.

Deputados petistas pró-Lula

Uma das forças do 'volta, Lula' na corrida presidencial, no entanto, foi calada na semana passada. O deputado André Vargas (sem partido-PR) entrou com pedido de desfiliação do PT após a saraivada de denúncias de seu envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal na Operação Lava Jato, ação contra um megaesquema de lavagem de dinheiro.

Vargas era um dos grandes críticos na Câmara à articulação política comandada pela presidente Dilma Rousseff. Ele chegou a se queixar para a Folha de que os deputados petistas não são "acionados para ajudar nessa interlocução com os políticos". Sem ele, entretanto, a voz pró-Lula e contra Dilma é mantida por petistas como o ex-líder do governo na Câmara Cândido Vaccareza, removido do cargo em 2012 pela presidente.