NOTÍCIAS
22/04/2014 16:03 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:29 -02

Morte do ex-presidente Juscelino Kubitschek foi causada por acidente, conclui CNV

Arquivo/Estadão Conteúdo

A Comissão Nacional da Verdade (CNV) apresentou nesta terça-feira (22), relatório que indica que o ex-presidente Juscelino Kubitschek e o motorista dele, Geraldo Ribeiro, morreram em consequência de um acidente de trânsito na rodovia Presidente Dutra, no Rio de Janeiro, em 1976. A pesquisa sobre o caso descarta versões de que eles teriam sido assassinados.

LEIA TAMBÉM

Ditadura militar usou pelo menos sete centros de tortura no Brasil, aponta relatório da CNV

Forças Armadas anunciam investigações de centros de tortura da ditadura militar

Comissão da Verdade revela nomes de responsáveis pela morte do deputado Rubens Paiva em 1971

A polêmica em torno do assunto começou ainda nos anos 80, quando peritos encontraram, durante uma exumação, um fragmento metálico no crânio do motorista, que depois se constatou se tratar de um cravo usado no revestimento do caixão.

Essa polêmica voltou à tona em dezembro do ano passado, quando Comissão da Verdade instalada na Câmara Municipal de São Paulo apresentou uma pesquisa, considerada falha e sem base, de que JK e seu motorista teriam sido vítimas de homicídio doloso. Integrantes da comissão paulista chegaram a pedir ao Palácio do Planalto que o governo reconhecesse oficialmente "os assassinatos". A pesquisa foi considerada uma jogada política dos vereadores paulistas, sem bases históricas.

"O ex-presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira e seu motorista, Geraldo Ribeiro, morreram em decorrência de lesões contundentes, sofridas quando da colisão frontal entre o veículo Chevrolet Opala, em que viajavam, e o Scania Vavis", destaca o relatório apresentado hoje pela Comissão Nacional da Verdade. "Não há nos documentos, laudos e fotografias trazidos para a presente análise qualquer elemento material que, sequer, sugira que o ex-presidente e Geraldo Ribeiro tenham sido assassinados vítimas de homicídio doloso".

O relatório do caso JK é o quinto relatório preliminar divulgado pela CNV desde fevereiro deste ano.