COMPORTAMENTO
22/04/2014 10:08 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:29 -02

A palavra que você nunca, jamais, deve falar de novo no trabalho

Thinkstock

Se alguém perguntasse como o seu dia estava indo, qual seria a sua reação imediata? Se você é igual à maioria dos profissionais, é bem provável que você responderia com uma única palavra: “Corrido!” Mas em muitos casos, essas lamentações sobre as nossas agendas super-lotadas nada mais são do que uma tentativa de ser humilde enquanto nos gabamos da nossa importância (com tantas coisas para fazer e pessoas para ver!). E segundo a comediante Mindy Kaling, uma conversa sobre o quanto estamos ocupados e estressados, na verdade nem é uma conversa.

"Ninguém quer ficar ouvindo sobre o quanto a outra pessoa está estressada, porque todo mundo vive estressado na maior parte do tempo”, escreve Kaling em seu livro "Is Everyone Hanging Out Without Me?" (algo como Todos Estão Se Divertindo Sem Mim?). Ficar detalhando incessantemente o quanto você está estressado não é conversar. Não leva a nada. Ninguém vai dizer: ‘Nossa Mindy, sua vida realmente está muito difícil. Já ouvi falar de pessoas com estresse, mas nunca igual ao que você está passando’.

Essa correria tem se tornado quase que uma medalha de honra – uma maneira de sinalizar a nossa própria relevância e produtividade superior sem falar isso explicitamente – mas, na verdade, essa correria constante pode ser um sinal exatamente do oposto. Existem várias evidências que sugerem que se você vive ocupado (e não se permite um tempo para descansar e repor as energias), você provavelmente está fazendo algo errado.

Veja aqui cinco razões para abrir mão da correria excessiva – ou pelo menos para parar de falar para as pessoas que você está super ocupado.

Isso pode estar afetando a sua produtividade.

Estar ocupado demais pode facilmente lhe impedir de realizar suas tarefas de fato. Quando os nossos dias ficam tomados de uma tarefa após a outra, acabamos tentando executar várias ao mesmo tempo – e raramente conseguimos colocar foco total na tarefa do momento – o que pode nos impedir de fazer todas as tarefas com o máximo da nossa habilidade. Em outras palavras, a quantidade acaba sendo mais importante do que a qualidade.

Já foi comprovado que trabalhar incessantemente e sem intervalos razoáveis não é uma forma eficaz de executar uma tarefa. Estudos feitos em Berlim nos começo dos anos 90 com jovens violinistas – observando os hábitos de ensaio dos músicos de elite (aqueles como potencial de tornarem-se músicos profissionais algum dia) comparados com músicos comuns – mostraram resultados surpreendentes. Os músicos de elite não tinham mais sucesso por mais horas de ensaio e estudo. Os dois grupos gastavam a mesma media de tempo ensaiando cada semana. E enquanto os músicos comuns dividiam o tempo de ensaio ao longo do dia, os músicos de elite trabalhavam em dois períodos intensos de ensaio todo dia, seguido de tempo de descanso depois. Os músico de elite ficavam mais relaxados e também dormiam uma hora a mais cada noite, afirma o escritor Cal Newport.

Pode comprometer sua comunicação e conexão com os outros.

Segundo Nell Minow, co-fundadora do The Corporate Library, a palavra “ocupado” pode ser “profundamente tóxica” tanto para as nossa carreira quanto para nossa vida pessoal. Quando alguém pergunta como estamos e nossa resposta é “Está bem corrido”, Minow argumenta que estamos afirmando a nossa própria significância e a relativa falta de significância da pessoa com quem estamos falando, o que automaticamente anula a possibilidade de uma interação autêntica.

"Prometo que se você eliminar essa palavra da sua vida, você estará mais consciente das suas escolhas de forma permanente e poderosa e se comunicará de forma mais eficaz com os outros”, Minow escreveu recentemente no blog do Huffington Post, "Como ‘Ocupado’ Se Tornou Uma Palavra Tóxica".

Você pode estar sofrendo de um caso sério de “distúrbio de déficit de tempo”.

Você tem a sensação de estar ocupado e correndo o dia inteiro? Bate uma ansiedade só de olhar todos os compromissos agendados no seu calendário do Gmail? Talvez você sofra de uma problema sem diagnóstico oficial mas com efeitos bem reais – o Distúrbio de Déficit de Tempo (também chamado de “fome de tempo”). Se você sente que está constantemente com falta de tempo, o melhor remédio pode ser o mais improvável: doar mais do seu tempo para outras pessoas. Uma pesquisa feita por pesquisadores das universidades de Yale e Harvard em 2012 mostrou que as pessoas que estão mais dispostas a dedicar parte do seu tempo para ajudar ao próximo tem a menor probabilidade de considerar o tempo como o seu “recurso mais escasso”.

Outra solução? Agende um tempo para ficar sem fazer nada – uma estratégia que o CEO do LinkedIn Jeff Weiner considera a "ferramenta de produtividade mais importante" que ele usa. Weiner afirma que ao criar momentos livre de reuniões durante o seu dia, ele tem o tempo que precisa para pensar estrategicamente sobre a empresa como um todo.

Pode estar encobrindo uma preguiça oculta.

Nossa tendência é achar que o oposto de estar ocupado é ser preguiçoso, mas as duas qualidades podem estar mais próximas do que gostaríamos de admitir. Se você está constantemente correndo, então é bem provável que você está gastando a sua energia em tarefas que podem parecer urgentes – mas que na verdade não são tão importantes. Encarar a vida corrida como uma virtude acaba nos impedindo de realizar tarefas com significado, Segundo Janet Choi, COO do iDoneThis, e nesse sentido, a correria excessiva é uma forma de preguiça.

"É fácil e até tentador negligenciar a importância de preencher o nosso tempo com significado, pensando ao invés que ficaremos contentes com a mera ocupação do nosso tempo”, disse Choi à revista Fast Company. "Adotamos uma métrica de valor próprio olhando apenas para a quantidade de atividades ao invés de avaliarmos a qualidade das mesmas”.

Talvez você não esteja administrando bem a sua energia.

Tony Schwartz, CEO do projeto The Energy Project e autor do livro "Não Trabalhe Mais, Trabalhe Melhor", sabe melhor que ninguém que estar excessivamente ocupado pode ser uma força destruidora em nossas vidas e trabalho. Sempre nos ensinaram que “mais, maior, mais rápido” é melhor. Mas Schwartz explica que esse conceito de que “o volume é Deus” presume que temos recursos ilimitados ao nosso dispor – que, obviamente, não temos.

A renovação é uma forma em que podemos de fato aumentar a nossa capacidade de sermos mais eficazes, explica Schwartz, permitindo-nos aproveitar melhor o tempo que dedicamos a uma tarefa. O tempo gasto com uma tarefa não é igual à energia investida nela e separar um tempo para descansar e recarregar pode ajudá-lo a fazer mais, pois você conseguirá lidar de maneira intencional com a sua energia – então quando você está relaxando, realmente vai relaxar e quando estiver trabalhando, vais estar totalmente engajado no seu trabalho.

"A renovação não é para preguiçosos”, afirmou Schwartz na conferência promovida pelo Huffington Post, "Redefinindo o Successo: Uma Outra Medida." "A renovação é uma forma em que você pode aumentar a sua capacidade de ser mais eficaz”.

LEIA TAMBÉM:

- 9 hábitos das pessoas mentalmente fortes que podem te ajudar a enfrentar qualquer dificuldade

- 6 coisas que as pessoas tímidas podem nos ensinar sobre o sucesso