NOTÍCIAS
11/04/2014 09:52 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:23 -02

Parada Gay de São Paulo de 2014 vai exigir a criminalização do assassinato de homossexuais

Evelson de Freitas/Estadão Conteúdo

Homolesbotransfobia.

Ufa! O palavrão significa o combate à discriminação de gays, lésbicas, transexuais, travestis e transgêneros. E é essa a bandeira da décima oitava edição da Parada Gay de São Paulo, marcada para domingo, 4 de maio.

A organização afirma que o propósito da parada neste ano é "educar a sociedade para o respeito à diversidade sexual, assim como para o fim do preconceito e da violência homofóbica".

O lema será "País vencedor é país sem HOMOLESBOTRANSFOBIA. Chega de mortes! Pela aprovação da lei de identidade de gêneros".

Segundo a Estadão Conteúdo, o presidente da Parada Gay, Fernando Quaresma, afirmou que o Senado "enterrou" o projeto de lei que criminaliza a homofobia. Por isso, a força do movimento contra a discriminação cresceu. "Não vamos nos calar, pois temos direito, assim como outros grupos agredidos em razão de cor e religião, a uma lei que nos proteja da crueldade e puna os agressores", afirmou Quaresma, em entrevista ontem (10).

A parada foi antecipada por causa do calendário de jogos da Copa do Mundo. A intenção é evitar que gays e simpatizantes não achem hospedagem.

A concentração da Parada Gay começa às 10h em frente ao Teatro Gazeta, na Avenida Paulista, 900. O desfile dos trios começa ao meio-dia e termina às 18h na rua Consolação.