NOTÍCIAS
10/04/2014 18:04 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:23 -02

Pesquisa alerta sobre exposição de bebês a substâncias químicas emitidas por colchões

Reprodução

Um novo estudo feito nos EUA revela que, durante o sono, os bebês são expostos a altos níveis de substâncias químicas emitidas por seus colchões.

Em uma análise de 20 colchões novos e antigos forrados de espuma de poliuretano e com estofamento de espuma de poliéster, uma equipe de engenheiros da Universidade do Texas-Austin descobriu que eles liberam quantidades importantes de compostos orgânicos voláteis (COVs), substâncias químicas perigosas encontradas por exemplo em produtos de limpeza doméstica.

Acredita-se que bebês sejam muito suscetíveis aos efeitos desses poluentes. “Eu quis saber mais sobre as substâncias que eles inalam durante os primeiros estágios de desenvolvimento”, disse hoje o chefe do estudo, Brandon Boor. “A pesquisa também ajuda a despertar a consciência sobre essas substâncias, que tipicamente não são listadas pelos fabricantes”.

Os pesquisadores identificaram mais de 30 compostos e constataram que colchões novos emitem quatro vezes mais deles que os mais antigos.

Entre as descobertas do trabalho está a de que os níveis de CVOs são significativamente maiores na zona de respiração dos bebês do que no ar em seus quartos. Além disso, eles inalam um volume bem maior por peso corporal do que os adultos e dormem de 50% a 60% do dia, estando assim sujeitos a uma exposição até dez vezes maior.

“Nosso estudo sugere que a reutilização de colchões mais velhos ou períodos longos de ventilação podem ajudar a reduzir as exposições”, afirmou Ying Xu, supervisor do trabalho. No entanto, especialistas apontam que os colchões mais antigos podem conter outras substâncias perigosas já proibidas no caso dos Estados Unidos, como os retardantes de chamas.

O estudo não examinou os efeitos dos compostos sobre a saúde. A Agência de Proteção Ambiental dos EUA diz que eles são irritantes e podem em alguns casos causar câncer, informa o Sydney Morning Herald.

Foto: travelingtribe/Creative Commons