NOTÍCIAS
10/04/2014 16:59 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:23 -02

Assessor de deputada do PT tenta intimidar Joaquim Barbosa em Brasília (VÍDEO)

Um assessor do gabinete da deputada Érika Kokay (PT-DF) publicou um vídeo na internet em que aparece hostilizando o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa. Rodrigo Grassi Cademartori aparece nas imagens entoando palavras de ordem contra o ministro, chamando-o, dentre outras coisas, de “tucano”, “autoritário” e “projeto de ditador”. O assessor ainda canta palavras de ordem em favor do ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, condenado no STF por envolvimento no mensalão.

Em entrevista à reportagem do Brasil Post, Grassi deu a sua versão sobre o contexto que envolve o vídeo. “Ele (Barbosa) estava bebendo em um bar, usando carro oficial e seis seguranças. Quem aparece no vídeo somos eu, a Andressa e a Maria Luiza, gritando conta a atuação dele. Ele estava em um ambiente público, se divertindo com carro oficial, até dando autógrafos, e nós utilizamos do livre direito de manifestação”.

O assessor parlamentar reforçou as atribuições feitas no vídeo contra Barbosa, a quem considera mesmo “autoritário” e “pautado pela grande mídia do Brasil”. “Ele gosta de ser estrela, jogar pra galera”, completou. Perguntado sobre a sua conduta, levando em conta o cargo que possui em um gabinete da Câmara Federal, ele disse que não estava em horário de trabalho, que a deputada Érika Kokay “não tem nada a ver com isso”, e que ele é cidadão e vaiará outros ocupantes de cargos públicos, se necessário.

A reportagem do Brasil Post procurou a assessoria do STF, para obter a posição de Joaquim Barbosa sobre o assunto, e foi informada que não haverá nenhum comunicado acerca do incidente. A assessoria do Supremo também não quis comentar sobre o que o ministro estava fazendo ou abordar as políticas de uso de veículos oficiais e seguranças da Corte.

Já a assessoria da deputada Érika Kokay iria verificar o assunto antes de passar uma posição, a qual será incluída assim que enviada à reportagem.

Assessor já se envolveu em outras polêmicas

Esta não é a primeira vez que Rodrigo Grassi aparece no noticiário político. Em fevereiro do ano passado, já assessor da deputada Érika Kokay, ele participou de um tumulto ocorrido durante a visita da blogueira cubana Yoani Sánchez na Câmara dos Deputados. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, ele também questionou, na mesma ocasião, o então deputado Eduardo Azeredo (PSDB-MG) sobre o mensalão mineiro.

Ainda de acordo com a Folha, Grassi (que se apresentaria como Rodrigo Pilha) foi um dos líderes, em 2007, do movimento "Fora Arruda", responsável pela ocupação da Câmara Legislativa do DF, em protesto contra o ex-governador José Roberto Arruda.

Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost