NOTÍCIAS
08/04/2014 14:30 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:23 -02

"Fui funcionário público, mas parei e pensei: preciso trabalhar"

Roberto Nenamis/SBT

Danilo Gentili está rindo à toa. No ar com o “The Noite”, que estreou no dia 10 de março no SBT, ele já bateu a Globo três vezes já na primeira semana. O sucesso, ele credita parte ao Jô Soares. Em entrevista à revista Imprensa, de abril, ele contou que só está apresentando um talk show hoje, porque cresceu assistindo ao Jô. “Queria fazer igual”, disse. Foi ainda em conversa com a publicação, que ele contou um pouquinho sobre o que fez antes de chegar onde chegou. E, claro, não deixou de polemizar:

Fui funcionário público, mas parei e pensei: preciso trabalhar. Foi quando comecei a fazer comédia em bar. A coisa foi dando certo e me chamaram para fazer um teste de “Repórter Inexperiente”, um contrato de dois meses na Band. Mas, gostaram e me deram uma chance de fazer uma matéria em Brasília. Foi quando fui expulso pela primeira vez de lá. Na hora pensei: já era. Mas, me contrataram como repórter do “CQC”.

Mas antes que alguém ache que ele tenha faltado com respeito em relação aos funcionários públicos, dá só uma olhadinha no que ele disse ao final da entrevista:

O humor é anárquico, tem muito a ver com liberdade de poder rir do que eu quiser, que é algo que eu zelo muito. A crítica faz parte da democracia. Se fiz uma piada que não gostaram, faz sentido eles criticarem. Me assusta quando alguém me diz que não posso falar isso ou aquilo. Não acredito em proibição de nada. A liberdade verdadeira é quando as pessoas falam até o que eu não quero ouvir. Mas, no Brasil, ela funciona da seguinte forma: você é livre para falar o que quiser, desde que o status quo concorde com o que você está falando.

A entrevista completa foi publicada no site da Imprensa.