NOTÍCIAS
04/04/2014 17:14 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:23 -02

Cesta básica sobe em 16 capitais em março, diz Dieese

fotemas/Flickr
coxões, curry, shoyu, fubá, azeitonas, batatas, alho, do reino, orégano, pitada de manteiga e fio de azeite.Florzinhas cotidianas 2227***** Custear uma ilusão é geral, todos se prestam a isto, por sina, por imposição psíquica, não por individualismo besta, mas porque é da essência humana custear uma ilusão, e depois outra e outras e outras, intermitentes, constantes, renovadas, há sempre mais uma na gaveta da ansiedade, esta necessidade básica, cesta básica ? porque se não se tem ilusão, se está literalmente morto para as coisas do mundo. Totem e tabu erguidos no terreiro, eu me lembro daqueles lindos e enormes totens de tribos do canadá e dos eua, além dos imensos e pesadíssimos ?moai?, aquelas estátuas de pedra na misteriosa ilha de páscoa, no chile, uma beleza toda aquela simbologia, todos aqueles totens ou arquétipos belamente esculpidos num tipo de árvore específica, fincados no centro ou ao redor da aldeia, cheios de cores e de simbologias. Vou pensando nisso, enquanto preparo uns petiscos, ainda não de todo cansado e nem de todo desanimado.DMC

O preço dos gêneros essenciais de alimentação da cesta básica aumentou em 16 das 18 capitais apuradas pela pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) divulgada nesta sexta-feira, 04. As cidades onde houve maior aumento em março foram Campo Grande (12,85%), Goiânia (12,61%) e Porto Alegre (12,52%).

As únicas quedas deram-se em Manaus (-1,25%) e Belo Horizonte (-0,41%). O maior valor da cesta básica em março foi o de Porto Alegre, com R$ 356,17. O segundo lugar ficou com São Paulo, com R$ 351,46, seguida por Florianópolis, R$ 345,63, e Rio, R$ 345,11. Já os menores valores foram os de Aracaju, R$ 225,82, João Pessoa, R$ 263,17 e Natal, R$ 271,31.

As maiores variações no primeiro trimestre de 2014 ficaram por conta de Goiânia, 12,88%, Brasília, 11,49%, Campo Grande, 9,43% e Rio de Janeiro, 9,38%. As retrações aconteceram em Belo Horizonte e Natal. O Dieese ainda apurou que, com base nos preços da cesta básica em Porto Alegre, o salário mínimo do trabalhador que sustenta uma família de quatro pessoas para suprir gastos com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, deveria ser de R$ 2.992,12, mais de quatro vezes o valor atual estabelecido em R$ 724,00.

Houve aumento em relação a março de 2013, quando essa quantia estava em R$ 2.824,92. Na época, o mínimo valia R$ 678,00. Já a quantidade de renda comprometida do salário mínimo para a compra dos insumos básicos, que estava em 43,73% em fevereiro, subiu para 46,27% em março.

São Paulo

Na capital paulista, houve aumento de 8,03% no preço da cesta básica em março. No primeiro trimestre de 2014, a alta foi de 7,04%. E na comparação com março de 2013, o aumento foi de 4,52%.