VOZES
30/03/2014 10:53 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:16 -02

50 anos do Golpe: textos para pensar e conversar sobre a ditadura militar no Brasil

50 anos do Golpe Militar. Uma efeméride e tanto. Há dias, semanas, os jornais, as revistas e os canais de TVs relembram cada fato ocorrido nos idos de 1964, fotos em preto e branco inundam nossos olhos, gravações em áudio e vídeo trazem sons daquela época. O Brasil Post, nascido há pouco mais de dois meses, decidiu fazer algo diferente.

Convidamos diferentes vozes a exprimir, com total liberdade, o que a data lhes traz à mente. Entre os que toparam escrever, há militantes daqueles tempos e de hoje, filhos de um advogado ativista, um militar e exilados políticos, pesquisadores gringos e brasileiros, artistas e jornalistas.

Memórias se misturam com tentativas de compreender de que forma a ditadura ainda se faz presente nos dias de hoje. Leia o que eles têm a dizer. Converse com eles, e com a gente, nos comentários.

"Precisamos extirpar as metástases

da ditadura que ainda perduram."

José Carlos Dias

Advogado criminal e membro da Comissão Nacional da Verdade

"Minissaia, metralhadora, guerrilha

e pornografia, os 'perigos' comunistas."

Benjamin Cowan

Professor do departamento de História da Universidade George Mason

"Hoje não sabemos direito os nomes

dos inimigos, de quem é linha dura e de direita."

Rosa Gauditano

Fotógrafa

"Precisava-se de um Supremo não supremo.

Com voz, mas sem poder falar do que importa. Foi assim"

Joaquim Falcão

Professor de direito constitucional da FGV Direito Rio

"Nossas vidas foram o prêmio pela nossa vitória."

Irles Carvalho

Socióloga e educadora

"Os currículos escolares são antidemocráticos

e conservadores até hoje."

Marco Mondaini

Historiador, professor associado da UFPE

"Aprender a mentir todo dia foi uma aprendizagem

da qual a gente não se desfaz com facilidade."

Renata Lins

Economista, tradutora, blogueira

“Golpe é uma das palavras mais antigas da minha vida."

Flavia Castro

Roteirista e diretora

"Está tudo numa caixa de sapatos da Penalty –

ironia do país do futebol."

Xenya Bucchioni

Jornalista, especialista em imprensa alternativa

"Era só fila no banco, fila nos postos de gasolina,

gente desempregada, inflação de 270%."

Luiz Gê

Cartunista

"O espaço público e sua dimensão

política nos foram arrancados."

Cordão da Mentira

Coletivo independente, autônomo e suprapartidário

"Essas três histórias mostram como ainda é um bocado frágil a nossa democracia. E que talvez ainda seja mais prudente defendê-la, antes de criticar os seus defeitos."

Rudolfo Lago

Jornalista político

"A tortura segue firme contra as mais

de 550 mil pessoas presas hoje no Brasil."

Lucia Nader

Diretora executiva da Conectas Direitos Humanos

"Chamaríamos assassino-brando quem matasse

'só' três mulheres, quando outro matasse 20?"

Bryan Pitts

Professor visitante de História na Duke University

"Fiquei me perguntando se meu pai fazia parte de tudo aquilo. Durante o almoço, perguntei se ele também torturava gente no Presídio do Hipódromo."

Monica Tarantino

Jornalista, repórter de saúde da ISTOÉ

"Quando os amigos de meu pai, todos no MDB, disputavam eleições, vestíamos camisetas e passávamos o dia fazendo boca de urna. Do meu DNA democrático, nunca vou abrir mão"

Otávio Dias

Editor-chefe do Brasil Post