Comportamento

6 sustos que você poderá ter em sua próxima consulta ao ginecologista

Por Corrie Pikul

...E por que você não precisa "pirar" com eles.

1. O susto: "Você tem um útero invertido".

O que você poderá pensar: "Sou uma aberração".

Por que você pode relaxar um pouco: tudo o que isso significa é que o útero, que normalmente está em uma posição vertical, está inclinado para a parte posterior de sua pélvis. Por si só, isso geralmente não interfere na fertilidade ou a gravidez. Na verdade, carregar um bebê pode inclinar o útero para a posição "mediana" ou normal (ou, em uma mulher cujo útero já está no lugar típico, a gravidez pode tirá-lo do alinhamento). Muitas mulheres passam a vida toda sem saber do útero inclinado. No entanto, algumas com esse detalhe anatômico relatam dores durante seus períodos ou enquanto fazem sexo. Seu médico pode lhe recomendar exercícios ou outro tratamento. A cirurgia é absolutamente um último recurso.

Mais uma coisa:experimentar diferentes posições sexuais que não exercem tanta pressão sobre o reto e os ligamentos do cóccix muitas vezes alivia a dor, por isso fique à vontade para ser criativa.

2. O susto: "Isto parece síndrome de ovário policístico. Vou pedir exames".

O que você pensa: "E se eu não puder ter filhos?"

Por que você pode relaxar um pouco: você pode ter ouvido a SOP ser citada como a causa mais comum de infertilidade feminina. Eis o fato: a SOP é um distúrbio hormonal comum que afeta entre 1 em cada 10 mulheres e 1 em cada 20 mulheres em idade reprodutiva. A maioria das mulheres terá um pequeno cisto próximo à borda externa de cada ovário, que é uma consequência de não ovular. A condição também pode vir com uma série de sintomas desagradáveis: regras irregulares (ou nenhuma), crescimento excessivo de pelos, acne e obesidade. No passado, os médicos removiam cirurgicamente os cistos, mas hoje em dia a condição pode ser administrada com medicação (obrigada, ciência!). Seu médico provavelmente lhe receitará pílulas anticoncepcionais (ou DIU, ou adesivo) para regular seus hormônios, suas regras e outras questões relacionadas, diz a médica Lauren Streicher, professora clínica associada de obstetrícia e ginecologia na Escola de Medicina da Universidade Northwestern. Então, quando você estiver preparada para engravidar, ela cancelará a pílula e se for necessário lhe receitará uma droga para fertilidade como Clomid -- a doutora Streicher diz que a maioria das pacientes responde muito bem.

Mais uma coisa: um novo estudo animador feito em Israel com mulheres saudáveis com SOP sugeriu que tomar um bom café da manhã saudável e um almoço e jantar menores pode alterar os níveis de hormônios de maneira favorável e melhorar a fertilidade.

3. O susto: "Seu exame de herpes deu positivo".

O que você pode pensar: "Estou marcada para toda a vida".

Por que você pode relaxar um pouco: Embora os números exatos sejam complicados, uma porcentagem significativa da população é marcada de maneira semelhante com um ou os dois tipos de herpes (HSV1, geralmente oral, ou HSV2, geralmente genital). Por exemplo, nos Estados Unidos, cerca de 1 em cada 6 pessoas entre 14 e 49 anos tem herpes genital (cerca de 50 milhões), e até 90% não sabem disso, segundo a Associação Americana de Saúde Sexual. No passado, a herpes tinha de se manifestar para ser diagnosticada, mostrando a cabeça na forma de uma erupção oral ou genital. Hoje os médicos podem fazer um simples exame de sangue para ver se você já foi exposto ao vírus da herpes simplex. Isso significa que você pode dar positivo no exame de herpes mesmo que nunca tenha tido uma crise. Os médicos são obrigados a lhe contar o resultado, e não há como adoçar a notícia. Quando os pacientes entram em pânico sobre como darão a notícia a um futuro parceiro, Streicher lembra-lhes que as únicas pessoas que são imunes a doenças sexualmente transmissíveis (DST) são as que nunca fizeram sexo -- e os dados mostram que somente cerca de 2% das pessoas são virgens quando se casam.

Mais uma coisa: você pode diminuir a probabilidade de transmitir a infecção usando camisinha e tomando uma medicação antiviral, diz Streicher (e, é claro, abstendo-se quando -- ou se -- tiver uma crise).

4. O susto: "Seu anticoncepcional aumenta a probabilidade de um coágulo sanguíneo".

O que você pensa: "Meu anticoncepcional pode me matar".

Por que você pode relaxar um pouco: mesmo que seu obstetra-ginecologista minimize os riscos, você pode ter ouvido relatos aterrorizantes sobre jovens mulheres que faziam o controle natal hormonal e morreram de coágulos. É verdade que qualquer contraceptivo hormonal que contenha estrogênio (especialmente os que têm uma alta concentração de estrogênio, a progestina sintética chamada drospirenona, ou ambos) aumenta o risco de um coágulo (tecnicamente, um tromboembolismo venoso), que pode se romper, deslocar-se para outras partes do corpo e potencialmente causar complicações fatais. Mas seus riscos de desenvolver um coágulo são maiores durante e logo após a gravidez -- exatamente o que você tenta evitar ao tomar a pílula. Para colocar em perspectiva: a probabilidade de um coágulo de sangue enquanto se toma pílula anticoncepcional é de 3 a 9 para cada 10 mil mulheres, diz Streicher. Durante a gravidez, aumenta para 5 a 20 para cada 10 mil mulheres; imediatamente após o parto, é de 40 a 65 para cada 10 mil mulheres. Em todos os casos, surtos de estrogênio são os culpados parciais; a predisposição genética, o fumo e a obesidade são outros importantes fatores de risco.

Mais uma coisa: para as mulheres que têm um histórico familiar de coágulos (ou que são simplesmente medrosas), a doutora Streicher recomenda uma pílula só de progestina ou um DIU (que também só contém progestina).

5. O susto: "Você tem duas vaginas".

O que você pode pensar: "Espere aí... o quê?"

Por que você pode relaxar um pouco: essa condição, também conhecida como útero didelfo, não é comum -- só ocorre em 1 a cada 3 mil mulheres, segundo a Organização Mundial de Saúde -- e geralmente não é grave. É uma anomalia do desenvolvimento em que dois tubos no trato reprodutivo (junto aos tubos de falópio) não se fundem em uma única vagina, mas continuam separados. Então você acaba tendo duas vaginas -- e também dois úteros e colos.

Mais uma coisa: enquanto pode apresentar alguns desafios à fertilidade, não significa que você não possa ter filhos -- uma mulher relatou que teve dois filhos, com alguns anos de diferença: um em cada útero.

6. O susto: "Seu exame de HPV deu positivo."

O que você pode pensar: "Eu vou ter câncer?"

Por que você pode relaxar um pouco flor: o HPV, também conhecido como vírus do papiloma humano, é como o resfriado comum das DST. Há mais de 40 tipos diferentes de HPV, e tornou-se tão generalizado que quase todos os homens e mulheres sexualmente ativos o contraem em algum ponto da vida. Enquanto o HPV pode causar câncer no colo, nos órgãos genitais ou na garganta, a infecção desaparece em 90% dos casos (geralmente em dois anos). Seu obstetra-ginecologista provavelmente vai pedir testes regulares para monitorá-la. As mulheres na faixa dos 20 e 30 anos, que têm a maior probabilidade de contrair HPV, também têm a maior probabilidade de livrar-se dele sem qualquer tratamento adicional, segundo a doutora Streicher.

Mais uma coisa: o câncer cervical, como a maioria das formas de câncer, é mais tratável quando identificado cedo. Por isso é crucial manter contato com seu ginecologista até que seus exames de HPV voltem a dar negativos.