MUNDO
15/03/2014 15:28 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:13 -02

Russos protestam contra intervenção do país na Crimeia

ANDREW COWIE via Getty Images
Anti-Russian activists stand outside Downing Street during a pro-Ukraine protest in London on March 15, 2014. The predominantly Russian-speaking Black Sea region of Crimea was overrun by Kremlin-backed troops days after the February 22 fall in Kiev of a Moscow-backed regime and the rise of nationalist leaders who favour closer ties with the West. AFP PHOTO/ANDREW COWIE (Photo credit should read ANDREW COWIE/AFP/Getty Images)

Dezenas de milhares de manifestantes contrários à intervenção do governo russo na Crimeia protestaram no centro de Moscou neste sábado, apenas um dia antes da realização do referendo que vai decidir sobre a incorporação ou não da república autônoma pela Rússia. O protesto é a maior demonstração contra a administração do presidente Vladimir Putin desde 2012.

Perto dali, outras milhares de pessoas para apoiar a atuação russa na península. Os manifestantes agitavam bandeiras da Ucrânia e da Rússia, enquanto os ativistas opositores, incluindo duas integrantes da banda punk Pussy Riot, gritavam "Diga não à guerra!" e "Putin, vá embora!". Faixas diziam "Para sua e para nossa liberdade!".

O referendo na Crimeia previsto para este domingo (16) foi altamente condenado e considerado ilegítimo por grande parte da comunidade internacional. Enquanto tropas militares fortemente armadas (aparentemente sob comando russo) têm efetivamente tomado o controle da península, um referendo sobre a sua incorporação é criticado como sendo mera formalidade.

Apesar de dados oficiais afirmarem que a avaliação de Putin só aumentou desde o anúncio do uso das forças russas na Ucrânia, o protesto deste sábado demonstra a insatisfação de boa parte da população. Nenhum dos canais de televisão estatais da Rússia mostrou as imagens dos manifestantes contrários ao governo.

Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost