NOTÍCIAS
15/03/2014 18:51 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:13 -02

Rússia ignora resolução da ONU sobre Crimeia

VIKTOR DRACHEV via Getty Images
Employees prepare the polling booth in one of the polling stations of Sevastopol on March 15, 2014, on the eve of the referendum in Crimea. Ukraine braced on Saturday for a breakaway vote in Crimea as deadly violence flared again in the ex-Soviet country's tinderbox east amid the biggest East-West showdown since the Cold War. Tensions have spiralled in the region ahead of Sunday's vote in Ukraine's southern peninsula of Crime on whether to secede from Kiev and switch to Kremlin rule. AFP PHOTO/ VIKTOR DRACHEV (Photo credit should read VIKTOR DRACHEV/AFP/Getty Images)

A Rússia vetou resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) que pedia que os países não reconhecessem o resultado do referendo deste domingo que vai determinar se a Crimeia deixa de ser parte da Ucrânia para ser anexada à Rússia. A resolução proposta pelos Estados Unidos foi derrotada por 13 votos contra 1, com abstenção da China.

A única incerteza com relação a votação era se a China iria mesmo se abster ou se daria um voto. Forte aliada da Rússia, a China é sensível a temas de unidade territorial por conta do Tibete. Diplomatas do oriente disseram que forçaram a Rússia a vetar a resolução para ressaltar o isolamento de Moscou.

O embaixador da China na ONU, Liu Jieyi, chamou a crise da Crimeia de "altamente complexa e sensível" e condenou atos de violência por parte de "extremistas". A China reiterou seu apoio a integridade territorial e conta a interferência em assuntos internos de outros países. A enviada dos Estados Unidos, Samantha Power, chamou o referendo de domingo de "apressadamente planejado, injustificado e divisivo".

Em resposta à saída do presidente ucraniano eleito democraticamente Viktor Yanukovych em 22 de fevereiro e a indicação de extremistas de direita no novo governo ucraniano, a Rússia deslocou milhares de tropas para a Crimeia naquilo que Moscou definiu como um esforço para proteger a maioria étnica da região. A ação foi condenada pela maior parte do mundo.

A resolução do Conselho de Segurança da ONU propunha a declaração de que o referendo sobre anexação da Crimeia pela Rússia não poderia ter validade e não poderia servir de base para alteração do status da Crimeia. Moscou não indicou se pode reconhecer a Crimeia como parte de seu território ou quando isso pode acontecer caso essa seja a escolha dos que participarem do referendo. Fonte: Dow Jones Newswires.

Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost