NOTÍCIAS
15/03/2014 18:41 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:13 -02

Rússia considera intervir no leste da Ucrânia

ASSOCIATED PRESS
In this photo taken Saturday, March 8, 2014, Russian President Vladimir Putin smiles as he watches downhill ski competition of the 2014 Winter Paralympics in Roza Khutor mountain district of Sochi, Russia. (AP Photo/RIA-Novosti, Alexei Nikolsky, Presidential Press Service)

Rússia irá considerar os inúmeros pedidos para intervir no leste da Ucrânia e "proteger os civis pacíficos" após os confrontos observados na região, afirmou o Ministério de Relações Exteriores do País. "Houveram inúmeros pedidos para a Rússia proteger os civis pacíficos. Esses apelos serão considerados", informou a pasta. A declaração, um dia antes do referendo sobre a secessão da Crimeia, eleva a preocupação da comunidade internacional com relação às intenções russas na Ucrânia oriental.

Neste sábado, a Rússia vetou uma resolução do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) que pedia que os países não reconhecessem o resultado do referendo deste domingo. A resolução, elaborada pelos Estados Unidos, foi derrotada por 13 votos contra 1, com a abstenção da China. A única incerteza com relação à votação era se a China também vetaria a proposta ou se absteria, isolando Moscou politicamente.

Um dia antes, o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, havia afirmado que o país não tinha planos sobre uma ação militar no leste da Ucrânia, mas se reservou ao direito de proteger a população da região. Segundo ele, a Rússia acredita que o novo governo de Kiev não está controlando a situação na maioria das cidades onde a população é de etnia russa. O país argumenta que tem a obrigação de proteger os seus cidadãos na Crimeia, depois que milhares de soldados fortemente armados (usando uniformes sem identificação) ocuparam a península.

Líderes europeus e norte-americanos já ameaçaram impor sanções econômicas ao governo de Moscou, se os soldados, supostamente russos, não deixarem a Crimeia e afirmaram ainda que não irão reconhecer o resultado do referendo. Por sua vez, o presidente Vladimir Putin sinalizou que não irá recuar com a votação.

O governo russo se disse preocupado com a informação de que cidades do leste ucraniano sofriam com os "excessos" ultranacionalistas. Na cidade de língua russa Carcóvia, duas pessoas foram durante confrontos entre grupos pró-Moscou e pró-Kiev nessa sexta-feira.

Segundo a polícia, dezenas de pessoas, de ambos os lados, foram presas. A violência teria eclodido quando um ônibus com nacionalistas ucranianos se aproximou de uma manifestação pró-Rússia, na praça principal da cidade. De acordo com o relato de testemunhas, o confronto verbal rapidamente se transformou em violência, que resultou em um tiroteio. Um policial foi baleado e ficou gravemente ferido. Fonte: Dow Jones Newswires.

Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost