NOTÍCIAS
14/03/2014 11:26 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:13 -02

Avião desaparecido sumiu deliberadamente da rota por centenas de quilômetros, segundo dados de radar

ASSOCIATED PRESS
An Indonesian Navy pilot checks his map during a search operation for the missing Malaysian Airlines Boeing 777 over the waters bordering Indonesia, Malaysia and Thailand near the Malacca straits on Monday, March 10, 2014. Dozens of ships and aircraft have failed to find any piece of the missing Boeing 777 jet that vanished more than two days ago above waters south of Vietnam as investigators pursued

Dados de radar militar indicam que o avião da Malaysia Airlines desaparecido há quase uma semana voou deliberadamente por centenas de quilômetros fora da rota, aumentando a suspeita entre os investigadores de um ato criminoso, disseram fontes familiarizadas com a situação nesta sexta-feira (14) à Reuters.

Duas fontes afirmaram que uma aeronave não identificada --mas que os investigadores suspeitam que fosse o voo MH370-- seguiu uma rota entre dois pontos de balizamento definidos, o que sugere que estava sendo pilotada por alguém com formação em aviação. Esse aparelho foi detectado por um radar militar pela última vez na costa noroeste da Malásia.

Enquanto isso, a aeronave continua desaparecida. Autoridades da Malásia aumentaram novamente a área de buscas pelo avião da Malaysia Airlines desaparecido, desta vez mais para o oeste, na direção da Índia, dizendo que a aeronave pode de fato ter voado por várias horas depois de seu último contato civil. A Índia, por sua vez, aceitou o pedido da Malásia e se juntou ao esforço internacional de busca.

A ampliação torna a tarefa de encontrar o Boeing 777 que fazia o voo MH370 ainda mais difícil e intensifica a suspeita de que as equipes de busca estavam procurando o avião no lugar errado. A aeronave sumiu no sábado, quando fazia a rota de Kuala Lumpur a Pequim, com 239 pessoas a bordo, entre passageiros e tripulantes.

Mais cedo, aviões de busca foram enviados para procurar o avião em uma área perto da ponta sul do Vietnã, onde imagens de satélite da China publicadas em um site do governo chinês supostamente mostravam objetos flutuando. Nada foi encontrado. "Não há nada. Fomos até lá, não tem nada", disse o ministro dos Transportes interino da Malásia, Hishammuddin Hussein. Aumentando a frustração, Hussein disse posteriormente que a Embaixada chinesa havia notificado o governo malaio que as imagens foram divulgadas por engano e não mostravam possíveis destroços do Boeing que desapareceu.

Um equipe de buscas internacional está varrendo metodicamente partes do Mar do sul da China. Uma caçada similar está sendo conduzida para o oeste, no Estreito de Malaca, por causa de sinais em radares militares que indicaram que o avião se dirigia naquela direção, passando sobre a Península da Malásia. A área total de busca tem em torno de 92.600 quilômetros quadrados, ou quase o tamanho de Portugal.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)