NOTÍCIAS
01/03/2014 16:33 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:13 -02

Sonda de perfuração da Petrobrás volta a operar após ficar cinco horas inclinada

Sergio Moraes/Reuters

A sonda de perfuração SS-53 da operadora Noble, contratada pela Petrobras, está estável e operando com energia própria após o incidente que a levou a ficar adernada (inclinada) por cinco horas na sexta-feira, segundo nota enviada, há pouco, pela prestadora de serviços inglesa.

"A sonda está estável e operando com energia própria após o incidente de controle de lastro ocorrido na sexta-feira, 28 de fevereiro. Membros adicionais da tripulação estão sendo seletivamente retornados à sonda", diz a nota.

Na noite de sexta-feira, chegaram a Macaé, no Litoral Norte do Rio, os 77 funcionários retirados da sonda de perfuração. Segundo o Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF), após uma primeira avaliação médica na própria embarcação que os trouxe ao continente, apenas três empregados, mareados, foram encaminhados ao posto médico da base operacional da Petrobras.

O incidente ocorreu por volta de 1 hora, quando uma falha numa válvula do sistema que controla a estabilidade da sonda fez com que a unidade inclinasse 3,5 graus. A atividade foi paralisada, o poço foi fechado, vedado com cimento e os trabalhadores não essenciais foram retirados.

Pouco depois das 6 horas, a sonda já estava normalizada, sem risco de adernamento ou vazamento. A Noble interrompeu as atividades por tempo indeterminado. Por precaução, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) e a Marinha interditaram a unidade, mandaram equipes ao local e estabeleceram um prazo de 90 dias para apurar as causas.