NOTÍCIAS
20/02/2014 10:42 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:04 -02

Famí­lias separadas por Guerra da Coreia se reencontram

Mais de cem sul-coreanos, muitos deles em cadeiras de rodas, atravessaram nesta quinta-feira (20) a mais vigiada fronteira do mundo para se reunirem com parentes que vivem na Coreia do Norte.

Os familiares não se viam há seis décadas, desde a Guerra da Coreia (1950-53). Na chegada ao local, parentes se abraçavam em meio a lágrimas, alegria e descrença. Alguns nem conseguiam reconhecer os parentes.

O sul-coreano Park Yang-gon e seu irmão norte-coreano Park Yang Soo se emocionam em reencontro na Coreia do Norte

Para muitos coreanos que viajaram ao monte Kumgang, essa pode ser a última chance de rever seus parentes.

Das 128 mil pessoas registradas na Coreia do Sul como oriundas de famílias separadas pela guerra, 44% já morreram, e mais de 80 por cento dos sobreviventes tem mais de 70 anos, segundo o ministério sul-coreano da Unificação.

A sul-coreana Lee Young-shil, de 87 anos, reencontra a irmã norte-coreana Lee Jong Shil, de 84 na Reunião de Famí­lias Separadas no resort Diamond Mountain

Entre os sul-coreanos estava Jang Choon, um cadeirante de 81 anos, que vestia terno bege e gravata marrom, comprados especialmente para o encontro com um irmão e uma irmã que moram na Coreia do Norte.

"Meu irmão caçula, Ha-choon, nem havia começado a escola quando eu o vi pela última vez", disse Jang, mais velho de quatro irmãos (um já morreu). "Mas agora ele é um velho como eu."

A sul-coreana Lee Young-shil, 87 anos, se emociona ao encontrar sua irmã norte-coreana Dong Myung-sook, de 66

Tensões - As reuniões foram realizadas depois que o Norte desistiu de exigir a suspensão de um exercício militar anual conjunto da Coreia do Sul com os Estados Unidos. Antes, Pyongyang chegou a ameaçar com o cancelamento das reuniões familiares no monte Kumgang, uma estância montanhosa logo ao norte da fronteira.

Reuniões desse tipo costumavam ser realizadas mais ou menos todos os anos, mas estavam interrompidas desde 2010, por causa de tensões e incidentes que levaram as duas Coreias à  beira de um novo conflito armado.