COMPORTAMENTO
16/02/2014 08:00 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:03 -02

Reclamar é pior para o casamento do que trair?

Thinkstock

Por Gina Binder para YourTango.com

Reclamar é realmente tão ruim? Estou casada com um advogado de divórcios há 26 anos e ele nunca afirmou que reclamar é pior para um casamento do que trair. Afinal, a maioria das pessoas parece pensar que reclamar é um ato irritante, mas benigno e inofensivo. E algumas acham que nunca vamos conseguir o que queremos se não pedirmos de 50 maneiras diferentes. Mas há cerca de um ano a colunista Elizabeth Bernstein, do "Wall Street Journal", fez a provocante afirmação de que a prática de reclamar é uma "assassina de casamentos... mais comum que o adultério e com o mesmo potencial tóxico".

Uma certa ciência sustenta essa declaração. Howard J. Markman, professor de psicologia na Universidade de Denver e codiretor do Centro de Estudos Familiares e Conjugais, passou 30 anos estudando padrões de conflito e divórcio. Sua equipe descobriu que os padrões de conflito negativos, consistentes com a reclamação constante, atacam o amor e aumentam o risco de infelicidade e o potencial de divórcio. Markman sabe algo que todos nós sabemos: reclamar é comum. E aí está seu perigo inerente. Seu relacionamento é como uma casa em uma zona de deslizamento de rochas: a reclamação frequentemente faz as rochas caírem sobre sua casa e desgastam o amor, enquanto a traição provoca uma avalanche. Você fica de prontidão para avalanches, mas talvez não preste atenção nos danos em longo prazo causados pela frequente queda de rochas.

Por isso, enquanto a reclamação pode na verdade não ser pior para nossos casamentos que a traição (queda de rochas versus avalanche), talvez devamos reconhecê-la como um verdadeiro causador de danos em nossos relacionamentos. Eu me lembro de três maneiras importantes como a reclamação pode desgastar as bases de uma relação.

Primeira: comunicação.

Vamos explorar um cenário: a Reclamona fica realmente nervosa quando o Reclamado dirige nas viagens de férias. Ele é mais agressivo ao volante e isso desperta a ansiedade dela. Então ela fala sobre o limite de velocidade a cada cinco minutos e usa sinais de mão e de pé para incentivá-lo a reduzir a marcha. A cada hora, a voz e os gestos da Reclamona tornam-se mais enfáticos, e o Reclamado torna-se menos atento, ou talvez exploda de irritação. Nenhum dos dois se sente compreendido, e provavelmente nenhum entende o outro. A reclamação sequestra a comunicação empática.

Segunda: conexão.

Quando foi a última vez que você quis se deitar abraçadinha com seu parceiro depois de ouvir reclamações -- ou depois de reclamar? Geralmente, quanto mais uma pessoa reclama, mais depressa e para mais longe a outra foge... de modo literal ou figurativo. Se você reclamar de sua mulher sobre algo a caminho de um restaurante, a noite pode perder a graça antes que os aperitivos sejam servidos. Se vocês dois estão presos em um ciclo de reclamações, você pode confundir sua luta (as reclamações) com suas identidades (duas pessoas que não se entendem). A reclamação pode fazê-lo perder a pista de quem vocês são: duas pessoas que se amam e lutam com um hábito de comunicação ineficaz. Pensem em mudar seu hábito antes de sonhar em mudar de parceiro.

Terceira: confiança.

Se você é o “reclamão”, pode se sentir descuidado se sua esposa constantemente rejeitar suas súplicas. Se você é o alvo da reclamação, pode corretamente pensar que sua esposa não confia em sua responsabilidade em uma determinada área, ou em muitas. Quando a reclamação se torna enraizada, cada um pode achar que o outro não lhe dá apoio. A confiança se desgasta -- não porque o Reclamão e a Reclamada sejam inerentemente imperfeitos, mas porque cada um deles está preso em um padrão de comunicação ineficaz.

E se o “reclamão” declarar claramente o que quer e explicar por quê, e o Reclamado afirmar francamente sua intenção e quando ele ou ela aquiescerá? Cada um pode ter de fazer um pouco de concessão, mas a confiança começará a crescer. (E eles poderão jogar fora seus rótulos de reclamões.)

Então talvez a reclamação não possa provocar uma avalanche no lar, como a traição é capaz. Mas se persistir com constância em seu relacionamento pode se tornar uma assassina invisível do casamento. Talvez esteja na hora de dar uma outra olhada nesse padrão de comunicação tão comum em nossos relacionamentos.