Oito maneiras de assumir o controle da sua própria felicidade

Existe uma teoria da pesquisa psicológica que sugere que todos nós temos um ponto “default” (de falta) de felicidade que determina, em grande parte, o nosso bem-estar. Oscilamos em torno de tal ponto, ficando mais felizes quando algo positivo acontece ou tristes quando acontece o contrário, retornando para o ponto de equilíbrio depois.

Mas essa falta pode ser re-configurada, até certo ponto. Apesar do nosso nível de humor ser definido parcialmente por fatores como genética e criação, aproximadamente 40 por cento da nossa felicidade está ao nosso alcance, sob o nosso controle, de acordo com os alguns especialistas. Várias pesquisas no campo da psicologia positiva mostram que a felicidade é uma escolha que qualquer um pode fazer. Como disse o psicólogo William James, “A maior descoberta de todas as gerações é que o ser humano pode mudar sua vida através da sua atitude”.

Aqui estão oito maneiras em que você pode assumir o controle da sua própria felicidade.

Simplesmente tente.

Um pequeno esforço pode ajudar a aumentar bastante a felicidade. Dois estudos experimentais publicados esse ano no Journal of Positive Psychology, concluíram que o simples ato de tentar ser mais feliz pode até melhorar o humor e a sensação de bem-estar. Em um estudo, dois grupos de alunos escutaram músicas “alegres” — um grupo recebeu a instrução de fazer um esforço proposital para sentirem-se mais felizes, enquanto que o outro grupo recebeu a instrução de não tentar melhorar o seu humor. O grupo que se esforçou para sentir-se feliz apresentou melhoras no humor depois de ouvir as músicas.

Faça da felicidade o seu objetivo número um.

Pessoas felizes decidem tornar a felicidade um dos seus principais objetivos na vida, de acordo com o psicólogo Tom G. Stevens, Ph.D., autor do livro You Can Choose to Be Happy.

"Decida aproveitar as oportunidades para aprender a ser feliz”, Stevens disse em entrevista ao site WebMD. "Por exemplo, reprograme as suas crenças e valores. Aprenda boas estratégias de auto-gestão, de relacionamento interpessoal e habilidades profissionais. Escolha conviver em ambientes com pessoas que aumentam a sua probabilidade de ser feliz. As pessoas que mais crescem e são felizes são aquelas que colocam o crescimento pessoal e a verdade como seus principais valores”.

Concentre-se nos pequenos momentos positivos.

De acordo com Rick Hanson, neuropsicólogo e autor do livro Hardwiring Happiness, os nossos cérebros são programados para encontrar tudo que é ruim – como se fosse um velcro para as experiências negativas e um teflon para as positivas. Esse “viés negativo” faz com que o cérebro reaja intensamente às notícias ruins, comparado com a forma em que reage às notícias positivas. Mas nós podemos compensar o viés negativo do nosso cérebro – que nos motiva a formar mais memórias ruins do que boas – apreciando e voltando o nosso foco para aqueles pequenos momentos positivos que vivenciamos.

"As pessoas não reconhecem o poder que existe nas experiências diárias”, disse Hanson em entrevista ao The Huffington Post. "Vivemos cercados de oportunidades – 10 segundos aqui ou 20 segundos ali – em que podemos registrar experiências úteis e aprender com elas. As pessoas acabam desperdiçando essas oportunidades”.

Escolha ser consciente.

O segredo da felicidade pode ser tão simples (e difícil) quanto ser mais consciente. A meditação –que qualquer um pode praticar em qualquer lugar, contanto que esteja disposto a sentar e tentar silenciar a mente – pode ser uma prática que promove a felicidade.

O professor de psicologia da Universidade de Wisconsin, Richard Davidson, descobriu em sua pesquisa que a prática da meditação pode ajudar a transferir a atividade cerebral do córtex frontal direito (região associada à depressão, ansiedade e preocupação) para o esquerdo, região que a pesquisa mostra estar ligada aos sentimentos de felicidade, excitação, alegria e atenção.

Sorria até encontrar a felicidade.

O segredo para melhorar o seu humor pode ser tão simples quanto decidir sorrir. Uma pesquisa de 2011 da Universidade de Michigan mostrou que trabalhadores que sorriam por cultivar pensamentos positivos tinham humor melhor e menos chance de se afastar do trabalho. Por outro lado, dar aquele sorriso amarelo, falso, acaba piorando o humor e afastando as pessoas do trabalho.

Pratique a gratidão.

Cultivar a gratidão é uma forma cientificamente comprovada de aumentar a felicidade, e está totalmente ao seu alcance ser uma pessoa mais grata.

Pessoas gratas tendem a apreciar os pequenos prazeres da vida, descritos como “os prazeres da vida que estão disponíveis à maioria das pessoas”, segundo uma reportagem na revista de Comportamento Social e Personalidade.

Corra atrás da felicidade, encontre a felicidade – e o sucesso.

A sabedoria popular afirma que correr atrás do sucesso leva à felicidade, mas pesquisas mostram que talvez o contrário é que seja verdadeiro. A procura pela felicidade resulta não só na própria felicidade, mas também no sucesso, de acordo com Shawn Achor, autor do livro The Happiness Advantage.

Em seus 12 anos pesquisando a felicidade na Harvard, Achor descobriu que o cultivo de uma perspectiva positiva pode melhorar o bem-estar e o desempenho dos trabalhadores em várias áreas, da produtividade até a criatividade e envolvimento.

"Pessoas que cultivam uma mentalidade positiva conseguem enfrentar melhor os desafios”, ele escreveu na revista Harvard Business Review em 2012. "Eu chamo isso de ‘vantagem da felicidade’ – cada resultado dos negócios mostra algum aprimoramento quando o cérebro pensa positivo”.

Permita-se ser feliz.

Bronnie Ware, uma enfermeira de cuidados paliativos que passou muitos anos trabalhando com pessoas idosas à beira da morte, notou que os pacientes chegavam ao fim da vida com o mesmo arrependimento: não se permitiram serem felizes.

Ware, autora do livro The Top Five Regrets Of The Dying, escreveu em um blog do Huffington Post:

Muitos só se deram conta de que a felicidade é uma escolha quando já estavam no final da vida. Eles ficaram presos a velhas rotinas e hábitos. O aparente ‘conforto’ do conhecido dominou as emoções e vida física também. Fingiam estar contentes para os outros, e para si mesmos, por causa do medo das mudanças. Na verdade, o que desejavam no fundo era rir de verdade e ter uma vida mais leve, menos séria... Viver é uma escolha. E a vida é SUA. Escolha de maneira consciente, escolha com sabedoria, escolha com sinceridade. Escolha a felicidade.

Pratique a compaixão.

Quer aumentar a capacidade de sentir felicidade do seu cérebro? Tente meditar sobre a compaixão. Exames de imagem do cérebro do monge francês Matthieu Ricard mostraram que quando ele meditava sobre amor e bondade, o cérebro dele produzia ondas gama que “nunca haviam sido registradas na literatura da neurociência”. Ricard tem a maior capacidade de felicidade jamais registrada em humanos, graças à neuroplasticidade.

“Meditar não é simplesmente ficar zen embaixo de uma mangueira, é um ato que muda completamente o seu cérebro e consequentemente quem você é”, Ricard disse ao jornal New York Daily News.

5 maneiras de cultivar a felicidade