COMPORTAMENTO
14/02/2014 18:15 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:03 -02

Groupon libera chinelos no escritório por causa do calor

Groupon/divulgação

Nesta sexta-feira, os 650 funcionários do Groupon no Brasil estão liberados para usar chinelos durante o expediente. A permissão faz parte de um projeto chamado "Fun Friday", que existe desde meados de 2012 na empresa. Por meio dele, uma sexta-feira de cada mês se transforma em uma espécie de dia oficial da festa à fantasia no ambiente corporativo.

O tema da caracterização varia mensalmente e já passou por super-heróis, chapéus e até halloween. O chinelo foi escolhido como o acessório da vez por causa do calor.

A ideia do Fun Friday surgiu como forma de tornar o último dia útil da semana especial. Em muitas empresas, é na sexta-feira que se permite o uso de roupas casuais, por exemplo. No groupon, porém, bermudas e roupas leves já fazem parte do dress code e, por isso, a companhia decidiu inovar.

"Um dos nossos valores é fazer a vida menos chata. E, para isso usamos o humor na forma de nos comunicar com parceiros e clientes", explica Gabriel Frank, diretor de recursos humanos do Groupon para a América Latina.

Geralmente, na "Fun Friday", os funcionários da empresa elegem a melhor fantasia em um evento que ocorre junto ao tradiconal happy hour das sextas-feiras. Desta vez, o concurso será diferente.

Os funcionários terão que fazer uma montagem de fotos com o tema: "onde eu gostaria de enfiar o pé hoje". O concurso foi lançado no início da semana na intranet da companhia, onde cada um pode votar na sua colagem preferida.

Nesta sexta-feira, os 650 funcionários do Groupon no Brasil estão liberados para usar chinelos durante o expediente. A permissão faz parte de um projeto chamado "Fun Friday", que existe desde meados de 2012 na empresa. Por meio dele, uma sexta-feira de cada mês se transforma em uma espécie de dia oficial da festa à fantasia no ambiente corporativo.

O tema da caracterização varia mensalmente e já passou por super-heróis, chapéus e até halloween. O chinelo foi escolhido como o acessório da vez por causa do calor.

A ideia do Fun Friday surgiu como forma de tornar o último dia útil da semana especial. Em muitas empresas, é na sexta-feira que se permite o uso de roupas casuais, por exemplo. No groupon, porém, bermudas e roupas leves já fazem parte do dress code e, por isso, a companhia decidiu inovar.

"Um dos nossos valores é fazer a vida menos chata. E, para isso usamos o humor na forma de nos comunicar com parceiros e clientes", explica Gabriel Frank, diretor de recursos humanos do Groupon para a América Latina.

Geralmente, na "Fun Friday", os funcionários da empresa elegem a melhor fantasia em um evento que ocorre junto ao tradiconal happy hour das sextas-feiras. Desta vez, o concurso será diferente.

Os funcionários terão que fazer uma montagem de fotos com o tema: "onde eu gostaria de enfiar o pé hoje". O concurso foi lançado no início da semana na intranet da companhia, onde cada um pode votar na sua colagem preferida.

O resultado será anunciado durante o happy hour e o vencedor ganhará um crédito de 200 reais para fazer compras no Groupon. "É também uma estratégia para estimular o funcionário a ser nosso cliente", diz Frank.

Produtividade

De acordo com Gabriel Frank, ter funcionários fantasiados durante o expediente, ao contrário do que se imagina, não atrapalha a produtividade.

"Nosso compromisso com o resultado é muito alto, mas a própria liderança dá o exemplo de que é possível ser sério sem ser sisudo. Há uns três meses, o presidente e um dos diretores estavam em uma reunião super importante sobre números e tendências para o mês, mas um estava vestido de Homem Aranha e o outro de Capitão América", conta.

Ele diz que o projeto ajuda, inclusive, no engajamento e na atração de novos funcionários. "Em São Paulo, eles saem fantasiados para almoçar juntos na (avenida) Paulista. Isso já está ficando famoso na região", brinca.

"Candidatos a emprego vem fazer entrevista no dia do Fun Friday e isso faz toda a diferença. Porque ajuda a quebrar o gelo, mostra a irreverência da empresa e reforça a nossa identificação com a geração Y", completa.

Apesar de inovador, o dia do chinelo não deve continuar. "Vamos ver como será o resultado, mas não queremos que o funcionário vá trabalhar todo dia de chinelo".