NOTÍCIAS
04/02/2014 14:40 -02 | Atualizado 26/01/2017 20:50 -02

Nada está descartado, diz Alckmin sobre ataque a filho

SAO PAULO, BRAZIL - OCTOBER 31:  Governor of State of Sao Paulo, Geraldo Alckmin attends the Colcci show at Sao Paulo Fashion Week Winter 2014 on October 31, 2013 in Sao Paulo, Brazil.  (Photo by Fernanda Calfat/Getty Images)
Fernanda Calfat via Getty Images
SAO PAULO, BRAZIL - OCTOBER 31: Governor of State of Sao Paulo, Geraldo Alckmin attends the Colcci show at Sao Paulo Fashion Week Winter 2014 on October 31, 2013 in Sao Paulo, Brazil. (Photo by Fernanda Calfat/Getty Images)

O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta terça-feira, 4, que nenhuma hipótese envolvendo a abordagem criminosa ao carro de seu filho, no último domingo, 2, foi desconsiderada. "A Secretaria de Segurança Pública está investigando todas as hipóteses, nada está descartado", disse o governador, ao falar com jornalistas no Palácio dos Bandeirantes, na capital paulista, após a assinatura de convênio entre a Prefeitura e o governo estadual para a construção de 30 mil moradias destinadas a famílias de baixa renda da cidade de São Paulo.

"Foi uma tentativa de assalto, enfim, uma ação criminosa", relatou Alckmin. Segundo ele, são consideradas tanto a hipótese de tentativa aleatória de roubo de carro como uma ação deliberada, feita por criminosos que sabiam que se tratava da família do governador. "É preciso aguardar a investigação."

Alckmin contou que seu filho, Tomaz, estava dirigindo, levando a filha no banco de trás, quando foi interceptado por pessoas armadas. "A segurança reagiu e eles fugiram", contou o governador. O incidente ocorreu no último domingo em frente ao Clube Paineiras, na Avenida Professor Alcebiades Delamare, zona sul de São Paulo. Alckmin disse que o sentimento agora "é de preocupação", mas não revelou se serão adotadas novas medidas de segurança no Palácio dos Bandeirantes. "Nós confiamos no trabalho da polícia. Esta é uma guerra que devemos vencer todo o dia, e o governo não se intimida por ação criminosa."