OPINIÃO

Sofrer não é o bastante

26/12/2014 15:04 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:36 -02

A sociedade é exigente: você precisa ser assim ou assado, fazer isso ou aquilo. E, muitas das vezes, o que fazemos é pouco e o que somos não corresponde às expectativas dos outros (do mundo).

O mundo nos obriga a criar planos e metas cada vez mais distantes. Nos engajamos em obedecer uma série de padrões, sejam eles sociais, culturais ou econômicos.

Formar na universidade, arrumar um bom emprego, fazer dieta, constituir família. São bons exemplos de planos que renovamos a cada ano - e provavelmente as pessoas estão começando a pensar no assunto. Qualquer sofrimento é justificado e sofrer nunca é o bastante. Se hoje está ruim, amanhã será melhor, esse é o espírito. E, se não estiver melhor, a culpa é sua.

O futuro é o paraíso. O sofrimento surge como um obstáculo, um teste para demonstrar que somos dignos da felicidade. Parece estranho e ultrapassado, mas é bem isso. Sem luta não há vitória. A sociedade funciona nessa lógica arcaica e rudimentar, que muito se aproxima da disciplina cristã.

O negócio é que não dá para sofrer e esperar que tudo melhore. Nem é preciso sofrer para fazer o que se gosta. Sofrer não é o bastante, é desnecessário. O futuro é uma continuação do presente (o que é que você está fazendo agora?).

O ano está por um fio e já estamos dispostos a fazer desejos para os próximos 365 dias. Um ano, ou uma vida inteira, para fazer o que a gente realmente ama e não aquilo que a sociedade espera.