OPINIÃO

O impacto do racismo na infância

20/11/2015 00:57 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

2015-11-02-1446486541-4010368-CapturadeTela20151102s15.48.20.png

É maravilhoso pensar que as crianças podem aprender desde sempre. No entanto, normalmente esse pensamento vem associado ao aprendizado de coisas boas e encantadoras: a cantar, a desenhar, a dançar, a ler, a escrever... Mas é bom levar em consideração que aprende-se também o que pode não ser tão bom assim.

O texto-denúncia-desabafo publicado no Blogueiras Negras mostra exatamente isso!

A intolerância e o racismo também se aprendem na convivência com adultos, com pessoas em que as crianças confiam e acreditam - mesmo inconscientemente. São elas justamente as pessoas com quem crianças podem e precisam compartilhar os valores.

No texto, Maria Rita Casagrande relata o constrangedor e recorrente encontro no elevador com uma vizinha que insiste em perguntar "Em qual você está hoje? Quanto você cobra o dia?".

Para ampliar a reflexão sobre o tema, a autora ilustra com um depoimento sobre brincadeiras racistas da época em que era criança. A descrição inicial pode até constranger quem lê, de tão vil. Mas vamos aproveitar para pensar:

O que aprende uma criança que convive com uma pessoa que insiste em constranger a vizinha negra tratando-a, de maneira racista e reiteradamente, como uma diarista a serviço em seu prédio?

O que a criança que convive com Maria Rita pode aprender ao conviver com situações como essas?

As crianças aprendem e compreendem boa parte do que está por trás. Mas, embora sejam capazes de captar muitos elementos que estão implícitos nos gestos, ainda não possuem o repertório necessário para ter uma visão crítica.

De um lado a primeira criança poderá aprender que no mundo há pessoas que merecem estar em alguns lugares e outras não. Pode ser criada na ilusão de que há pessoas que, devido à sua cor, são melhores ou piores que outras. Aprende que a diferença não é um valor e aprende a categorizar pessoas a partir de características externas.

Já a segunda criança pode também aprender a negar sua cultura, a desvalorizar suas origens, seus costumes... Sua identidade. Isso é cruel e tem sérias influências no desenvolvimento infantil.

E se nessa cena entrasse uma terceira criança? O que aprenderia? Certamente teria também a influência do adulto que estivesse com ela e aprenderia com sua postura e seus valores, seu posicionamento ou sua omissão... Que responsabilidade!

Vale a pena refletir...

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: