OPINIÃO

O fracasso de uma delegação unificada das Coreias e a persistência do abismo

Presidente sul-coreano propõe delegação unificada das duas coreias nas próximas Olimpíadas de Inverno, mas norte nega.

07/07/2017 20:30 -03 | Atualizado 01/08/2017 17:03 -03

O recém-eleito presidente sul-coreano, Moon Jae-in, propôs, em discurso na abertura do Campeonato Mundial de Taekwondo, que as Coreias competissem sob a mesma bandeira nas Olimpíadas de Inverno de 2018, a serem realizada em seu país, na cidade de Pyongchang. Apesar de não estarem competindo no torneio, uma delegação especial de atletas norte-coreanos assistiu ao discurso e realizou uma performance especial no evento.

O atual presidente é um grande defensor de diálogo e reconciliação com a Coréia do Norte e crítico à postura de contenção desenvolvida pelo governo anterior. As atitudes diplomáticas de Moon Jae-in em relação ao Norte tem sido descritas como ousadas em tempos em que a relação com o vizinho tem se tornado crescentemente instável, especialmente perante aos estadunidenses, aliados do Sul.

Na ocasião, o presidente lembrou quando as duas Coreias participaram de equipes conjuntas em competições esportivas internacionais. Isto aconteceu no campeonato internacional de tênis de mesa de 1991. Os dois times se uniram também para a marcha nos Jogos Olímpicos de Sidney no ano 2000, sob a simbólica bandeira da reunificação.

Norte e Sul Coreanos marcham juntos na volta Olímpica de Sidney em 2000

Norte e Sul coreanos marcham juntos a volta Olímpica nas Olimpíadas de Sidney em 2000.

"Eu quero ver a mesma glória novamente", disse ele, pedindo cooperação aos representantes do Norte. "Eu quero sentir a mesma sensação olímpica." Todavia, o sonho de Moon Jae-in parece ter durado pouco tempo. O representante no Comitê Olímpico Internacional da Coréia do Norte, Chang Ung, descartou a ideia de uma equipe Norte-Sul em entrevista a mídia local, afirmando que este era um objetivo irreal no clima político atual.

"Foram 22 rodadas de negociações para configurar essa equipe conjunta (a de tênis de mesa) para os jogos de 1991, um total de cinco meses," disse Chang ao jornal. Ele também descartou a possibilidade de usar locais no Norte para co-hospedar os Jogos de Inverno, como Moon já havia sugerido em outra ocasião, e descartou a noção de que uma equipe unificada ajudaria a melhorar os laços entre os dois países: "As Olimpíadas não devem ser usadas para um objetivo político ".

"Como um especialista nas Olimpíadas, é um pouco tarde para falar sobre dividir a responsabilidade de ser anfitrião. É fácil conversar sobre co-hospedagem de jogos, mas nunca é fácil resolver problemas práticos para isso. E o mesmo se aplica para formar, por exemplo, uma equipe conjunta para hóquei no gelo", acrescentou Chang.

Sua resposta, contudo, não parece ter desanimado os atletas do sul. "Ainda estamos abertos às possibilidades de formar uma equipe conjunta", disse Chun Byong-keuk, diretor-geral do Ministério da Cultura, Esportes e Turismo da Coreia do Sul. Chun afirmou que manteria conversações com o COI sobre a formação de uma equipe conjunta de hóquei no gelo para as Olimpíadas de 2018.

As Olimpíadas de Inverno de Pyongchang serão realizadas entre 9 e 25 de Fevereiro de 2018.

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

LEIA MAIS:

- Mesmo com casamento gay legalizado em Taiwan, a Ásia ainda se fecha para políticas pró-LGBT

- Na contramão do mundo, a Coreia do Sul sai pela esquerda

10 fatos absurdos da Coreia do Norte de Kim Jong-un