OPINIÃO

Vaquinha Digital se populariza no Brasil e mais projetos são lançados

05/11/2015 21:49 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:53 -02

O mercado de vaquinha digital está em constante evolução. A prática começou a aparecer em 2005 e ganhou escala mundial a partir de 2009, com o lançamento da primeira plataforma americana. No Brasil, apareceu em 2011, e hoje está disponível em mais de 160 países.

Para quem tem dúvida sobre a diferença entre vaquinha digital, crowdfunding e financiamento coletivo, saiba que é a mesma coisa. É quando várias pessoas financiam para que um determinado projeto saia do papel. Não existe uma quantia fechada, cada um colabora com a quantia que se sentir confortável.

Por isso, a "vaquinha digital" deve ficar ainda mais popular. Em um país em que se torna cada vez mais difícil conseguir investidores, esta opção de financiamento aparece como uma alternativa simples e sem burocracia de realizar seus sonhos.

Hoje em dia, há mais de 1.250 plataformas de crowdfunding no mundo, sendo mais de 20 ativas no Brasil. E, para se destacar, as elas precisam inovar a fim de atrair um público cada vez mais conectado e exigente.

Mesmo ainda sendo uma novidade, poucos empreendedores que embarcaram na onda do financiamento coletivo no Brasil conseguem fazer plataformas com diferenciais visionários e que transmitam a confiança necessária para quem investe e para quem está captando recursos para a realização de seus sonhos. Temos também a necessidade de profissionalizar o setor em nosso país. Com essa profissionalização, a tendência é aumentar o número de atletas, artistas e startups que buscam o crowdfunding para conseguir verba de maneira rápida e segura.

Como é a Vaquinha Digital no Brasil

O Brasil vem tomando cada vez mais conhecimento do que é o crowdfunding e o modelo de economia coletiva deve ficar ainda mais popular. Em um país em que se torna cada vez mais difícil conseguir investidores, o crowdfunding aparece como uma alternativa simples e sem burocracia de realizar seus sonhos.

O crowdfunding representa entre 0,3% e 0,03% dos formatos de arrecadação de fundos no Brasil. Embora não haja uma pesquisa exata sobre a fatia de mercado, existe um consenso de que sua utilização ainda é baixa, principalmente se considerarmos a adesão da população às redes sociais - que se mostraram um dos principais instrumentos de divulgação para as campanhas de sucesso.

Os brasileiros são muito generosos por natureza, mas poucos já tinham o hábito de colaborar e investir em projetos novos. Então, os fundadores de plataformas sentiram a necessidade de criar um local para criar uma cultura de contribuição que ainda não existia.

Todas os sites brasileiros seguem o modelo tradicional de financiamento coletivo, porém, se esforçam para oferecer diferenciais e adaptações que tragam melhores resultados.

O público brasileiro foi estudado meticulosamente para que as plataformas existentes pudessem oferecer diferenciais como a "Campanha Flexível", trazida ao Brasil pela Kickante. Diferente do modelo de campanha tradicional, a "Campanha Tudo ou Nada" - em que os fundos são devolvidos aos contribuidores se a meta não for alcançada -, essa flexibilidade permite que o criador da campanha leve o valor que arrecadar, independente de atingir a meta ou não.

Outro diferencial, pensado para o público brasileiro, foi a inclusão da opção de parcelar o pagamento das contribuições campanhas em até seis vezes - sendo que o criador da campanha recebe o todo valor à vista. Este é um grande diferencial para as plataformas de crowdfunding, já que foi constatado um aumento no valor da contribuição mediante esta opção.

O passo mais importante para o funcionamento do crowdfunding no nosso país é otimizar a capacidade do brasileiro de se solidarizar e acreditar em projetos.

Nosso país tem um verdadeiro potencial de crescimento no mercado do crowdfunding, ainda pouco vislumbrado pelos brasileiros. O formato inovador de financiar projetos online ainda tem muito a ampliar e contribuir não só para o fortalecimento da economia, mas também para a melhoria de problemas sociais brasileiros.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS:



As empresas mais admiradas pelos jovens