Machismo

Neil Webb via Getty Images

A masculinidade tóxica que matou 12 pessoas em uma noite de Réveillon

A morte de Isamara Filier e seus familiares é o efeito brutal do machismo na vida das mulheres. É por isso que o feminismo se faz necessário. É urgente pensar nas mais diversas formas de proteger mulheres e libertá-las. Sidnei, o autor do crime, não é um personagem fictício louco que habita um lugar longe do nosso planeta. Ele é aquele homem que brinca que lugar de mulher é pilotando fogão, é aquele tio que diz que política não se faz com mulher, é aquele primo que escreve posts machistas, é aquele marido que brinca que quem manda ali é ele, é aquele filho que não lava o próprio prato e explora a mãe. Sidnei está na nossa casa, nas nossas festas, na nossa universidade, no nosso escritório. Sidnei é mais comum do que você imagina.
Reprodução/Facebook

Quando o ódio se transforma em uma máquina de matar mulheres

É para os homens que Sidnei imaginou que convocaria à matança que faço outro apelo. A chacina será investigada pela polícia, mas o enredo da confissão deve lhes causar vergonha. A misoginia, o ódio às mulheres, deve ser prática abominada - não é liberdade de expressão, mas incitação ao ódio. Para alguns, o ódio permanece nas palavras; para outros, como Sidnei, o ódio é uma arma que mata. Homens, não sejam cúmplices do matador de ano-novo: se não suportam ver as mulheres livres e independentes em 2017, ao menos se silenciem. Deixem as mulheres em paz.