OPINIÃO

8 de Março: Saiba como participar da greve geral das mulheres

Dia 8 de março é Dia Internacional da Mulher, mas também promete ser outra coisa: um dia sem mulheres.

07/03/2017 12:39 BRT | Atualizado 07/03/2017 14:03 BRT

Pixabay
Dia 8 de março é Dia Internacional da Mulher, mas também promete ser outra coisa: um dia sem mulheres. Coletivos feministas no mundo inteiro, incluindo o #NiUnaAMenos na América Latina, estão convocando uma greve geral das mulheres na próxima quarta-feira, uma forma de protesto contra a cultura machista e do estupro que vivemos hoje. O manifesto (que você pode ler completo aqui) defende que marchemos juntas por um mundo mais igualitário, que respeite os direitos femininos e reconheça que somos alvo de uma violência física e mental por conta dessa diferença de visão. Por isso a greve geral das mulheres. O objetivo é justamente mostrar como fazemos falta em um único dia longe das tarefas que temos diariamente (que dirá da jornada dupla de trabalho – entre o emprego e cuidar da casa) e conscientizar o mundo sobre como uma greve geral das mulheres afeta o funcionamento da sociedade como um todo. É uma forma de fazer os outros entenderem como somos importantes para o mundo (e somos mesmo).

Como participar da greve geral das mulheres?

A ideia é que as mulheres parem de trabalhar por um dia completo (e isso inclui não fazer as tarefas de casa). Porém essa não é a única maneira de participar. A gente gostaria de não precisar fazer esse aviso, mas é importante fazê-lo mesmo assim. Se você decidir aderir de alguma forma à greve geral das mulheres, leve esse posicionamento a sério. É normal brincarmos dizendo 'não vou lavar a louça hoje, estou em greve', mesmo fora do Dia Internacional da Mulher. Esse assunto é seríssimo e precisa ser encarado como tal. Se você não vai lavar a louça, explique o porquê e seja firme na sua posição.

Formas de aderir à greve (você pode ver essas e outras informações clicando aqui):

  1. Não participando da jornada completa de trabalho remunerado por um dia (no próprio dia 8);
  2. Parar com as tarefas domésticas por um dia (não lavar a louça, roupas, limpar a casa, etc);
  3. Usar uma peça de roupa lilás, em apoio ao movimento;
  4. Fala parte da Hora M: se você não pode parar um dia inteiro de trabalho remunerado, pare por uma hora. Em algumas cidades brasileiras, a hora M acontecerá entre 12h30 e 13h30. Durante esse período pare de trabalhar completamente;
  5. Coloque uma bandeira lilás na janela da sua casa;
  6. Proteste com outras mulheres na sua cidade.

Marcha das mulheres: onde e quando?

No Brasil todo, estão sendo organizadas manifestações a respeito do movimento, e separamos, abaixo, as principais capitais. Se você não mora em uma dessas cidades e quer saber se a sua vai aderir à greve geral das mulheres, pode clicar aqui para conferir se existirá alguma movimentação na sua cidade.
  • Brasília - Museu Nacional da República DF / Horário: 16h
  • Boa Vista - INSS – Instituto Nacional Seguro Social / Horário: 15h (horário local)
  • Cuiabá - Praça Ipiranga / Horário: 16h
  • Curitiba - Praça Santos André / Horário: 17h
  • Fortaleza - Praça da Imprensa / Horário: 08h
  • Goiânia - Praça dos Bandeirantes / Horário:18h
  • Porto Alegre - Esquina Democrática / Horário: 08h
  • Recife - Parque 13 de maio / Horário: 14h30
  • Rio de Janeiro - Candelaria Rio de Janeiro / Horário: 16h
  • Salvador - Praça da Piedade / Horário: 13h
  • Florianópolis - TICEN / Horário: 18h
  • São Paulo - Masp (Av. Paulista) / Horário: 16h

Post escrito por Marcela De Mingo e publicado originalmente no Superela.

Mulheres do mundo contra Trump