OPINIÃO

Tem mulher nesse parque

Quem é Clarice Nascimento, gestora de parques brasileiros.

07/03/2017 14:15 -03 | Atualizado 14/03/2017 19:08 -03

Bota de caminhada, calça jeans e sorriso no rosto. É assim que Clarice Nascimento Lantelme Silva vai para o trabalho. Mestre em Ecologia e especialista em Administração e Manejo de Unidades de Conservação, desde que iniciou a carreira, Clarice já atuou na gestão do Parque Estadual do Ibitipoca e foi gerente do Parque Estadual da Serra do Papagaio e do Parque Estadual da Serra do Itacolomi, todos em Minas Gerais.

Arquivo Pessoal

A paixão pelos parques começou cedo, aos 14 anos, em uma visita ao Ibitipoca. Ali nasceram muitas histórias. Foi naquela visita que se apaixonou pela natureza e viu que trabalhando em parques poderia se dedicar a ela. Naquele parque estava sua inspiração, Maria Rita de Cássia. Observar a gestora arregaçar as mangas e pôr a mão na massa a fez pensar "quem toma conta desse parque é uma mulher e eu também posso seguir esse caminho".

Também foi ali que ela descobriu o que considera uma paixão e também um dos maiores desafios da profissão: a necessidade de envolver as pessoas na conservação desses espaços. O Ibitipoca continuou fazendo parte dessa história anos depois, quando, no primeiro semestre de faculdade, Clarice começou um estágio no parque.

Mas é claro que alguns botões demoraram a florescer. "Quando eu cheguei para trabalhar na gestão, não foi muito fácil porque eu entrei num ambiente de trabalho muito conservador e nós chegamos cheios de gás e de ideias novas. Foi um momento difícil", conta lembrando de seu primeiro trabalho, em 2006.

Entre os desafios que encontrou, um deles é velho conhecido: a falta de recursos financeiros. "No Brasil, eu nunca tive dinheiro para o parque. Desde que eu entrei no setor a gente está em crise", conta, com bom humor.

De lá para cá melhorou um pouco, mas ainda falta muito. Para Clarice, um futuro melhor para os parques depende muito das pessoas que cuidam dele. "Nós precisamos de gestores que tenham o perfil necessário para parques, que além de serem apaixonados pela natureza, tenham vontade de trabalhar com pessoas", afirma.

Desses mais de 10 anos de trabalho, tem muita história para contar, mas quando precisa escolher uma, ela lembra dos incêndios na Serra do Papagaio.

"Eu era uma mulher comandando uma equipe de mais de 80 homens, entre brigadistas, bombeiros e pilotos de aeronaves."

Clarice sabe que sempre vão ter fogos para apagar, mas segue alegre e determinada a oferecer o parque para uso da sociedade.

*Este artigo é de autoria de colaboradores do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o Huffington Post é um espaço que tem como objetivo ampliar vozes e garantir a pluralidade do debate sobre temas importantes para a agenda pública.