OPINIÃO

Medo de avião? Os conselhos de uma psicóloga especializada para você enfrentar melhor suas viagens

11/08/2014 14:00 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02
Blend Images - DreamPictures/Shannon Faulk via Getty Images

Após o primeiro acidente, ainda podemos raciocinar. Sim, é uma catástrofe terrível, mas essas coisas acontecem. Depois do quarto desaparecimento dos radares de um avião de carreira no espaço de cinco meses, a coisa fica difícil. Principalmente se você faz parte dos sortudos que se preparam para pegar um avião e sair de férias.

Entre 10 e 40% dos adultos têm medo de viajar de avião, segundo Elisabeth Rosnet, diretora do laboratório de estresse e sociedade na Universidade de Reims (França). Você é um deles? O HuffPost foi se tranquilizar com a psicóloga Marie-Claude Dentan, coautora do livro "Comment ne plus avoir peur en avion" (Como não ter mais medo de avião).

O medo de avião é um medo do desconhecido

Certamente você sabe que o meio de transporte mais mortífero ainda é o automóvel, antes da moto, da bicicleta, do ônibus e do trem. O avião fica em último lugar nessa classificação. No entanto, é o que concentra todas as nossas angústias. "Nós temos medo do desconhecido", lembra Marie-Claude Dentan, também fundadora do Centro Antiestresse Aeronáutico. "O avião é o meio de transporte mais recente, portanto o menos conhecido." O problema é simples: é natural que um carro ou um trem rolem, que um barco flutue, mas são raros os passageiros que compreendem por que e como um avião voa.

LEIA MAIS:

- Acidentes de avião de 2014 já mataram mais que em 2013 e 2012 juntos

- 9 maneiras de agradar o(a) comissário(a) de bordo no seu vôo

"Entre os temores citados pelos passageiros, o de ver os reatores pararem em pleno voo e o avião cair surge com frequência", constata Dentan. Um medo totalmente irracional. Veja este vídeo para compreender o por quê:

O problema de um acidente de avião é seu caráter definitivo; são raros os sobreviventes. Cada um deles adquiriu um lugar no imaginário coletivo, como o do voo da Air France Rio-Paris ou a queda do Concorde em 25 de julho de 2000. "Mas esquecemos com frequência que os acidentes de avião de carreira são muito raros", explica a psicóloga. Na série negra que conhecemos, o voo da Malaysia Airlines, que desapareceu em 8 de março de 2014 no oceano Índico, concentra ainda mais nossos medos. "Sem explicação objetiva, a imaginação monta os piores cenários catastróficos. Um acidente sem explicação alimenta o medo." Um avião que desaparece sem deixar vestígio só existe na ficção, como na série "Lost".

O risco existe, mas...

O trabalho que Marie-Claude Dentan fez com os 7 mil a 8 mil passageiros angustiados que atendeu durante sua carreira não foi de dourar a pílula. "Sim, o risco existe", afirma. "Mas é muito baixo. É preciso saber equiparar seu medo ao nível do risco existente." Para certas pessoas, as que têm fobias, por exemplo, demonstrar tal domínio é impossível. Mas nem todas as pessoas que sentem esse medo o experimentam no mesmo grau. Depois de anos estudando a aerofobia, a psicóloga pôde estabelecer uma tipologia desses angustiados:

  • Os terrestres: são as pessoas que têm medo de avião porque se sentem distantes demais da Terra quando estão nele.

  • Os decisivos: são pessoas muito empreendedoras na vida, e no avião se sentem despossuídas de seu poder e, portanto, em perigo.

  • Os fóbicos: são pessoas que colocaram no objeto "avião" todos os temores que podem sentir na vida.

  • Os que sentem dificuldade para deixar suas casas, para os quais a viagem é um mundo desconhecido.

Para tentar acalmar essas pessoas, a psicóloga dá ênfase à formação das tripulações: "Como segui uma formação de piloto, sei que em nenhuma outra profissão a formação é tão longa. O nível de segurança imposto ao pessoal que trabalha na aeronáutica é ainda mais rígido do que imaginamos". Por isso, é preciso compartilhar seu medo no avião: "Se você tem medo da viagem, fale sobre isso com os comissários de bordo. É preciso comunicar, e não guardar tudo para você", aconselha.

Mas, antes de qualquer coisa, não cancele sua viagem. A pior coisa a fazer nestes tempos de angústia é evitar as viagens aéreas. "É um mecanismo conhecido na psicologia: quanto mais você evita uma coisa, maior é o medo dela", adverte Dentan. Relaxe e pegue seu cartão de embarque.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.


Para saber mais rápido ainda, clique aqui.

MAIS COMPORTAMENTO NO BRASIL POST:

Acidentes e quedas de aviões recentes