OPINIÃO

Pegue leve

12/07/2016 10:33 BRT | Atualizado 12/07/2016 10:33 BRT
NOVO! DESTAQUE E COMPARTILHE
Destaque o texto para compartilhar no Facebook e no Twitter

2016-07-03-1467588809-4989667-Calmagente_Post2101.png

Os nervos estão exaltados. Seja atrás do volante, na caixa de comentários, na fila do banco, no estádio de futebol; parece que há sempre alguém pronto para explodir. Mau atendimento, desentendimentos, discordâncias, diferenças ideológicas. Tudo é motivo para descontrole e conflitos.

Senta aqui, vamos conversar. Sua vida é difícil, eu imagino, mas a minha também é. E a do meu vizinho deve seguir pelo mesmo caminho. A realidade é que nós estamos apenas tentando seguir em frente: superar mais um dia de dificuldades no trabalho, complicações na vida pessoal, enrolações no trânsito, malabarismos políticos e econômicos do governo, falta d'água em casa, 3G fora do ar, pneu furado. Tem dia que é demais. Nós temos a incrível capacidade de encontrar problemas com facilidade. E talvez seja isso a vida mesmo. Encontrar e resolver problemas. Não é fácil para ninguém.

Mas a gente resiste e se vira do jeito que pode, do jeito que cada um conseguiu aprender. Ninguém tem a resposta sobre como viver a melhor das vidas, mas nós insistimos em buscá-la. E vamos nos esbarrando no meio do caminho.

Bom mesmo seria se a gente pudesse se ajudar ao invés de se atrapalhar. Se percebêssemos que a luta de cada um, inclusive a nossa, tem o seu valor, que merece o mínimo de respeito. Realmente, é difícil demais se manter sereno em meio a essa confusão e reagir de forma positiva aos potenciais desentendimentos que inevitavelmente encontraremos ao virar a esquina. Mas é possível. Eu sei que é, porque eu busco essa serenidade e a encontro de vez em quando.

Não é todo dia, mas quando estou sereno, os conflitos diminuem. Ao invés de reagir intempestivamente, eu procuro entender o problema, compreender os desafios de quem me apresentou a dificuldade, ser mais legal.

A ação não precisa ser coletiva. Não é preciso convocar as massas ou levantar bandeiras. Apenas trate seus conflitos com mais tranquilidade. Entenda que o outro tem seus problemas também. Acumule menos armas e se concentre em compreender. Somos todos frágeis e podemos tirar proveito daquela mão amiga vez ou outra. Faça um esforço para ser essa mão amiga.

Da próxima vez, pegue leve.

LEIA MAIS:

- O saber, o fazer e o foco

- Ofereça o carinho que a violência desconhece

Também no Huffpost Brasil:

5 maneiras de cultivar a felicidade