OPINIÃO

Dilma: demita o marqueteiro João Santana, tire a campanha da lama

11/09/2014 14:09 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:03 -02

O TSE acaba de negar a Marina Silva direito de resposta sobre o vídeo acima, criado pelo gênio marqueteiro de João Santana. Clóvis Rossi chamou essa propaganda da campanha dilmista de "cinismo explícito" na Folha de hoje. Editorial do Estadão qualificou como "estultícia" (estupidez), criticando também Marina por descer ao mesmo nível e responder. Nem o pavor da derrota explica porque campanha do PT chegou a tal ponto de manipulação rasteira.

Em abril deste ano, um orgulhoso Santana afirmava à revista Época: "A Dilma vai ganhar no primeiro turno, em 2014, porque ocorrerá uma antropofagia de anões. Eles vão se comer, lá embaixo, e ela, sobranceira, vai planar no Olimpo". Do jeito que as coisas vão, pode até ser que o gênio do marketing consiga vender para o Brasil mais um mandato de Dilma Rousseff. Mas no meio do lodaçal para onde Santana está levando a campanha, quem pode emergir como anão moral é o próprio Partido dos Trabalhadores.

A colunista Dora Kramer qualificou hoje no Estadão como desfaçatez ilimitada a estratégia de comunicação adotada pela campanha petista. E alerta Lula para o fato de que, ainda que alcance o objetivo de curto prazo, que é desidratar Marina nas pesquisas, esssa estratégia terá efeitos devastadores para Dilma e Lula a longo prazo: "Chega uma hora que as pessoas cansam de tanta insolência, menosprezo a regras e valores".

Um aviso para quem não está acostumado a navegar no Brasil Post: este é meu blog aqui, e não uma reportagem, o que me dá liberdade de expressar minha opinião. E apesar de discordar muitas vezes das críticas sistemáticas de Eliane Catanhêde ao governo, hoje faço coro com ela quando afirma que a campanha de Dilma (leia-se: João Santana) usa seu tempo na TV para massificar mentiras e mistificações. "Acusar Marina de aliada de banqueiros por causa da educadora Neca Setúbal é indigno". Como também é indigno caracterizar banqueiros como bandidos.

Condenável, também, é a decisão do ministro Tarcísio Neto, do Tribunal Superior Eleitoral, negando o direito de resposta a Marina Silva. A propaganda da campanha do PT não é ofensiva apenas à candidata do PSB: é uma ofensa ao processo eleitoral e a todos os cidadãos brasileiros. Qualificar o vídeo acima como "crítica política", como fez o magistrado, me parece absurdo.