OPINIÃO

As políticas de drogas não incluem mulheres

08/04/2016 16:56 -03 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
The Washington Post via Getty Images
WASHINGTON DC APRIL 02: Hundreds of advocates for marijuana legalization rally and smoke pot outside the White House in Washington, D.C. on April 02, 2016. At exactly 4:20pm several people started to light up joints and smoke marijuana. (Photo by Marvin Joseph/The Washington Post via Getty Images)

A porta entreaberta é sinal de que se pode entrar, caso contrário, arrombem. #AgoraÉQueSãoElas é uma forma criar novas possibilidades e alternativas imediatas, é ocupar espaço sem abrir mão do protagonismo feminino.

#AgoraÉQueSãoElas - Mulheres e crack: um reduto de opressões

Por Paula Napolião*

Usuários de crack já são normalmente marginalizados pela população. São chamados de "seres sem alma," "cracudos", "zumbis" e muitos outros nomes que aos poucos vão tirando sua humanidade, escancarando nosso fracasso enquanto sociedade. O fato de usarem a droga parece transformá-los em seres desprovidos de direitos, autocontrole, vontades e cuidados aos olhos de quem (não) os vê.

Como não poderia deixar de ser, esse universo também é repleto de machismo. Se há uma forma de ser ainda mais invisível que seus pares usuários, é sendo uma mulher usuária de crack. Segundo levantamento nacional da Fiocruz, 4 em cada 10 mulheres dependentes do crack se prostituem; 3 em cada 10 sofreram violência sexual e; 5 em cada 10 tiveram gestação durante o uso.

Muitas mulheres começam a usar a droga por enfrentarem problemas familiares, algumas desde a infância: falta de afeto, pais e mães alcoólatras e maus tratos criam um ambiente de total abandono. Depois de adultas, o ciclo continua com a violência física e psicológica em suas casas, dependência financeira do marido e até pela dificuldade de inserção no mercado de trabalho. Algumas, inclusive, passam a usar crack por influência e chantagens emocionais do parceiro e por vezes tornam-se traficantes "em nome do amor."

Já inseridas no contexto de uso, usam seus já frágeis corpos como moeda de troca pela droga, sendo expostas a doenças, violência sexual e abusos dos mais variados tipos. Não usar camisinha é frequentemente a exigência dos clientes nos programas que fazem para obter dinheiro. Não é difícil constatar que são elas as mais atingidas por doenças como HIV e hepatites C e B. Quando gestantes, geralmente não tem acesso a qualquer acompanhamento pré-natal e muitas vezes acabam sendo separadas de seus filhos ao dar a luz, por não terem residência, renda e ainda se declararem usuárias. As crianças, então, são levadas a abrigos e na quase totalidade dos casos não têm mais contato com a mãe.

A repetida exclusão de mulheres se reflete no desenho de políticas públicas que atendem a pessoas que abusam de drogas. Mesmo os programas de atenção mais desenvolvidos, voltados ao tratamento e promoção de cidadania ainda não conseguem dar conta das específicas necessidades de seu público feminino.

Repensar essa lógica significaria considerar os diferentes papeis desempenhados por homens e mulheres em sociedade. Só o ato de usar a droga já configura um tipo de transgressão maior para a mulher do que para o homem. Além disso, ainda recai sobre ela a imagem de ser promíscua e desleixada e, quando mãe, precisa conviver com a culpa de não exercer plenamente a maternidade.

Olhar essas mulheres e entendê-las como seres humanos com aspirações, vontades e sonhos não devia ser uma tarefa tão árdua. Requer apenas empatia e a capacidade de se colocar no lugar do outro. Mas isso parece estar em falta, nesse momento em que vemos tantos ataques às pautas relevantes para mulheres e enfrentamos o real perigo de reversão de conquistas históricas. Por enquanto, escrevo esse artigo na tentativa de tirá-las da invisibilidade. Não é o bastante, mas espero ser ao menos um começo.

* Paula Napolião é feminista e pesquisa política de drogas.

LEIA MAIS:

- A política pós-Lava Jato: Novas práticas como única opção

- E o nosso bilhete único?

Também no HuffPost Brasil:

As 6 drogas mais viciantes do mundo e o que elas fazem com você